É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

16 de ago de 2019

Romancista como vocação


Autor:  Haruki Murakami
Tradutor: Eunice Suenaga
Editora: Alfaguara
Número de páginas: 168
Ano de Lançamento Brasil: 2017
Avaliação do Prosa Mágica: 7
                       

Romancista como Vocação é um ensaio que aborda o processo criativo levando em conta os diversos aspectos de uma criação literária, dentre eles a originalidade, os personagens, os temas, os prêmios. Todos esses aspectos são abordados de forma corriqueira, como em um bate papo, que a primeira vista parece quase um monologo, por que Murakami dá a impressão de não deixar margem para um diálogo.
Haruki Murakami é um dos mais conhecidos romancista japonês, suas obras já foram traduzidas para 42 idiomas. Sua linguagem simples, seca, sem muitos adjetivos ou metáforas, a primeira vista parece ser de uma inabilidade gigante diante da escrita, quando na verdade tudo é deliberado, planejado para provocar sensações.
Culturalmente Murakami não seria um rebelde, e isso se reflete em sua obra, mesmo quando o fato relatado parece transgredir, o ato acaba sendo apenas um ato criativo, um pequeno e desculpável desvio de conduta.
A impressão que passa é que Murakami se tornou escritor por acaso. Ele não teve preparo nenhum para isso, não frequentou cursos, apenas decidiu escrever e foi em frente. No entanto, com um largo background de leitura, não é de se admirar o sucesso que atingiu.
Murakami foi o “marginal” de sua sociedade. Não foi um aluno brilhante, casou-se antes de buscar um trabalho e construir seu repertório trabalhando em uma zona boemia de Tóquio, lugar no qual aprendeu sobre a vida, as pessoas e o mundo. Ele fala em seu livro:
“...mas quando eu trabalhava lá pessoas completamente estranhas  e interessantes perambulavam por Kobukichô e proximidades. (...) Foi nesse lugar animado, diversificado, às vezes duvidoso e violento, que aprendi muito sobre a vida(...)”
O escritor recebeu diversos prêmios e foi indicado ao Nobel, mas não venceu. Existe um grande questionamento sobre este fato, mas não me considero conhecedora o suficiente da obra de Murakami para sequer levantar hipóteses.
Mas, voltando ao livro, não se trata de um manual de como escrever bem, na verdade ele se assemelha muito mais a um “diário adolescente”, muitas vezes repetitivo, sem que isso o torne vulgar.
Outras vezes, Romancista como vocação parece um desfile de personagens cotidianos que podem ser encontrados em qualquer rua de Tóquio.
Murakami é disciplinado, e em minha opinião, essa é a maior mensagem de seu livro. Muitas vezes as pessoas romanceiam a vida do escritor, imaginando que as ideias caem do céu e vão diretamente para o papel e se transformam no livro acabado. Quem escreve de verdade sabe que não é assim. Eu mesma, para escrever os quatro romances que publiquei passava de 5 a 8 horas por dia diante do computador, mesmo que muitas vezes isso resultasse em uma única página escrita.
Haruki escreve por 4 a 5 hora e produz 300 páginas por mês, faz exercícios físicos e não se isola da humanidade em sua “caverna particular”.
No entanto o escritor precisa da criatividade, e Murakami nos fala do caos criativo, que ele cita fartamente como uma busca interior dentro do inconsciente de cada um.
Não me parece que Haruki Murakami é a criatividade em pessoa, com uma mente arguta e engenhosa. No entanto, dentro de sua simplicidade, ele não segue a massa, ele tem e expressa suas próprias opiniões sem se deixar levar por rótulos e convenções. Talvez ai se encontre a fórmula de seu grande sucesso.
Se Murakami fosse poesia, com certeza ele não seria Camões ou Shakespeare. O autor seria Bashô, simples como um Haikai, mas profundo na grandeza de seus significados. 

5 de ago de 2019

Madame Kardec. A história que o tempo quase apagou




Autor:  Adriano Calsone
Editora: Vivaluz
Número de páginas: 282 + publicidade
Ano de Lançamento Brasil: 2016
Avaliação do Prosa Mágica: 7
                       

Creio eu que é a primeira vez que publico este gênero de livro aqui. Madame Kardec é uma biografia de uma grande dama da Doutrina Espírita, Amélie-Gabrielle Boudet, esposa de Alan Kardec.
O livro de Adriano Calsone tem uma característica de romance biográfico, com algumas falhas que prejudicam gravemente a leitura. O inicio é confuso demais. Por volta da página 50 o livro começa a deslanchar, no momento em que Amélie passa a ser o foco principal da trama, sem se preocupar com Napoleão Bonaparte, prefeitos etc. É quando o papel da personagem se mostra presente. É quando se apresenta sua contribuição para a codificação da Doutrina Espírita, e depois todo trabalho e empenho para mantê-la dentro de seu rumo correto, lutando contra o machismo, a ganância, e o misticismo muito característico da época.
Amélie-Gabrielle é uma mulher muito a frente de seu tempo. Criada para ser independente, cercada de livros tornou-se artista,  professora e escritora de livros pedagógicos e poesia de grande importância na França. Casada com Allan Kardec, alguns anos mais jovem que ela, sua biografia nos mostra a relação de amor e cumplicidade vivida entre os dois.
Se você assistiu a produção recente de Allan Kardec no cinema,  Madame Kardec irá complementar a história de maneira que você compreenda a personagem tem um papel primordial na construção do Espiritismo. Talvez sem ela, Kardec não teria tido forças suficiente para chegar aonde chegou.
É um livro que eu recomendo com a ressalva: - vença a primeira parte como se você estivesse tirando a casca de uma noz, para chegar na verdadeira iguaria.


2 de ago de 2019

No clima de “Bom Sucesso”


Foto: Victor Pollak/Globo
Em nossa Sexta de Prosa eu quero falar um pouco de novela, e talvez isso cause espanto por aqui. A telenovela no Brasil é um gênero literário de importância – e aqui não estou discutindo a qualidade das tramas – que atinge uma quantidade enorme de pessoas, e principalmente uma gama de seres humanos que infelizmente não leem. Então, a ficção chega para eles por meio das novelas.
Mas não é o gênero literário que quero discutir aqui, mas a grata surpresa com a parte da trama da novela Bom Sucesso que vai falar de livros, editoras e pessoas que amam o que nós, leitores, também amamos ao máximo – livros.
Quem teve um tempinho esta semana, pode ver que o personagem Alberto (Antonio Fagundes) é dono de uma editora, que simplesmente é apaixonado pelos bons livros e lê, para filhos e neta, grandes títulos como “Mil e uma Noites”, “Peter Pan”, “Alice no País das Maravilhas”. Ao lado dele, podemos também nos deliciar com os personagens que fazem seus filhos contar de como estes livros foram importantes em suas vidas, e de como a editora parece ter vida própria.
E não são apenas eles, a personagem de Grazi Massafera também é uma apaixonada por livros, e cita em suas conversas trechos de Alice, Peter Pan. E, houve aquela cena de Alice no País das Maravilhas, inserida na trama, que estava fantástica.
Cena de Alice No País das Maravilhas - Foto do Google
E, como se não bastasse, a biblioteca de Alberto é simplesmente estonteante. Livros e livros organizados, e lidos e pelo visto, vividos pelos habitantes daquela casa.
A equipe de produção, comandada por Eugenia Maakaroun, está de parabéns, pois produziu mais de 200 artes para estampar as capas de livros da Editora Prado Monteiro. E confesso, que me deu vontade de ter mais um exemplar de cada um daqueles livros, só para adquirir aquelas capas maravilhosas.
Como a novela fala muito de literatura, eu vou comentar bastante aqui no blog. Por hora, fica aqui meus parabéns a Rede Globo e a advertência na citação do Pequeno Príncipe:
“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.

Bom Sucesso é escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm, com a colaboração de outros autores.

Obs: As fotos publicadas neste blog não possuem finalidade comercial, apenas ilustrativa dos posts. Quando retiradas da internet são devidamente identificadas com o nome do autor, ou site. No caso de fotos não identificadas, eu peço a gentileza que entrem em contato comigo para que eu possa dar os devidos créditos.



29 de jul de 2019

Lançamento do Clube de Autores


No dia 25 de julho aconteceu o lançamento do livro 75 Dicas para Escrever um Livro, fruto da experiência em autopublicação da maior plataforma da America Latina – O Clube de Autores.
Na paradisíaca Livraria Cultura do Shopping Iguatemi de São Paulo, Ricardo de Almeida, que eu já entrevistei para o blog e toda a equipe técnica do Clube esteve presente par conversar, tirar dúvidas sobre a publicação sob demanda.
O livro parece bem interessante e será resenhado em breve aqui no blog.
É importante este contato do pessoal do Clube de Autores com o público e com seus autores, por que a publicação sob demanda ainda é um mistério, que não é muito bem compreendido por quem não participa ativamente e, no entanto, é uma tendência mundial, que dá a todos uma oportunidade de publicar sua obra, mesmo que a pessoa não tenha o propósito de se tornar escritor, mas compartilhar com amigos, familiares, colegas de trabalho, alguma forma de texto que possa interessar apenas a um grupo.
Meus livros estão publicados na plataforma do Clube de Autores, e posso afirmar que é muito fácil colocar seu livro lá. No entanto, se você pretende se lançar como escritor precisa se lembrar de que seu livro precisa ser diagramado com carinho e profissionalismo e que a capa é a primeira coisa que verão dele no site e que não dá para fazer de qualquer jeito.
Curiosos sobre a plataforma. Entre no link do Clube de Autores e veja só como eles funcionam.

24 de jul de 2019

Semana do Livro Nacional


A Semana do Livro Nacional é um dos eventos literários mais tradicionais do país. Idealizado pela escritora Josy Stoque, acontece anualmente na última semana de julho em varias partes do país.
A ideia desta Semana é promover e debater autores e literatura nacional, incluindo desde as grandes editoras até os autores independentes.
Neste ano fui convidada pela escritora/blogueira Mari Scotti para participar de uma mesa de bate papo muito bacana, que vai contar “detalhes” do mundo secreto dos escritores.
O evento contará com uma mini-feira de livros, mesas de bate papo e palestras, além de muitos sorteios. Detalhes do evento podem ser obtidos na página do Facebook. E acontece na UNIBES Cultural, Rua Oscar Freire, 2500, próximo à estação Sumaré do Metrô.  A entrada é gratuita, mas você pode levar um livro em bom estado para doação, que valerá um ticket extra para os sorteios. Os eventos iniciam às 14 horas e termina às 18h.

Confira a programação completa:
13:30h – Abertura para entrada;
13:50h – Inicio;
14:00 às 14:45h – Crise x Literatura
14:45h às 15:30h – Eu leio Porque....
15:30h às 16:00h – Palestra com Felipe Sali
16:00h às 16:45h – Romance, como elas sonham.
16:45h às 17:30h – O mundo secreto dos escritores
17:30h às 18:00h – Sorteio e encerramento
Até 18:30h – Liberado espaço para venda e autógrafos.