É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

19 de jun de 2009

Ronaldo e a crítica brasileira

Assistindo a um jogo de futebol outro dia ouvi comentários sobre o Ronaldo, o quanto ele não estava jogando, que ele ainda está gorducho, e que ele é “folgado”. O que eu via na televisão não era o que estava ouvindo. Eu olhava para um homem que sofreu lesões horríveis ao longo de sua carreira e, por força de vontade, ainda estava de pé, fazendo o que mais gosta – jogar futebol.
Esta discrepância me fez pensar o quanto o brasileiro é exigente com o outro que deve ser perfeito, sempre magro, não pode nunca cometer erros e, caso o faça será massacrado por um milhão de brasileiros. Isso por que o exemplo que estou usando é do jogador de futebol, mas no dia a dia, o brasileiro faz a mesma coisa com o seu próximo mais próximo.
Se todo o brasileiro fosse tão exigente consigo mesmo, como é com os outros, o Brasil seria um país bem melhor. Não teríamos pessoas obesas, pois todos se preocupariam em comer corretamente para a saúde e a aparência; não teríamos papeis jogados no meio da rua, pois ao invés de criticar, agiríamos. Não haveria batidas de carro, pois não sairíamos por ai cortando, buzinando e correndo, exatamente o que mais criticamos nos outros.
A lista seria infinita, mas um simples jogo de futebol no leva a pensar o quanto somos negligentes conosco e exigentes com o próximo. Está na hora de mudar isto.
Bom final de semana!

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá, Soraya!

Achei muito importante suas reflexões!
São reflexões como as suas que cada brasileiro(a) deveria fazer e sempre. Porém, a “lei do menor esforço” impera e impede que aconteça esse tipo de reflexão, pois é mais “fácil” colocar para o outro a responsabilidade que também é nossa. Olhar para si mesmo requer coragem e esforço . Coragem para fazer uma cuidadosa auto-reflexão e esforço para iniciar uma mudança interior, que acredito mudam o nosso entorno. Você não acha?

Um grande abraço!
Margarete Barbosa

Doutor Satille disse...

Escreveu e disse tudo, Soraya!