É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

8 de jan de 2010

Promessa não é dívida


Programa de Direitos Humanos dá até arrepios para quem presta atenção as incansáveis tentativas de retorno a censura.

Eu prometi que em 2010 não escreveria nada sobre política, nem uma linha sequer. A sensação de dar murros no escuro é muito grande quando a nata da falta de juízo faz parte do poder. Eu pensava – o que pode um bloguezinho tão pequenino como o meu fazer? Nada!!!
Promessa feita, promessa não cumprida. Não dá para ficar calada quando se discuti as nossas costas um Programa de “Direitos Humanos” que tem tudo para ser um grande instrumento de CENSURA, que em nada se parece com Direitos Humanos.
Verdades a parte, tenho a impressão que se o Brasil não tivesse instrumentos tão fortes de repressão à Ditadura, este ano teríamos uma surpresa à lá Hugo Chaves. Não sei....é só minha imaginação trabalhando.
Desde quando invasor de terra tem que ter algum direito? Desde quando as empresas de comunicação têm que ser classificadas pela programação? Como é que se define que um canal de TV, por exemplo, violou os direitos humanos? Criticando o Movimento sem Terra? Criticando Senadores que usurpam nosso dinheiro? O que é que os Sindicatos têm com isto?
Outra coisa, a palavra Anistia significa “Perdão Total”, então, por que mexer no que já foi enterrado? Para quê? Para fazer sofrer os familiares que só agora estão cicatrizando feridas? Para punir quem? A família dos militares que já foram desta para pior? É ridículo isso.
Infelizmente vivemos em um país cujo povo é pouco intelectualizado, não no sentido ruim desta palavra, no sentido pedante, mas no sentido de compreensão e participação da vida política do Brasil.
Ninguém fará protestos, ou melhor, poucos farão, pois está todo mundo feliz com a política pão e circo do Governo Lula, que dá o peixe aos pobres e impossibilitá-los de aprender a pescar; que protege bandidos, sim, por que na minha opinião quem invade a terra alheia, armado, derruba lavouras já instaladas é bandido, igualzinho o que invade nossas casas para roubar cofres, eletrodomésticos etc. Eles não são anjos nem coitados. Para não ser tão radical, é claro que tem gente bem intencionada sendo guiada por profissionais da invasão.
O que é que a imprensa tem que entrar neste rolo dos direitos humanos, se foi ela quem sempre denunciou os abusos; se foram os jornalistas que sofreram punições por serem os primeiros a falarem sobre as violações de direitos. Alias, eu tenho uma pergunta que não quer calar: - O que é que o Lula e todo povo do PT tem contra a imprensa? Já não é a primeira, nem a segunda tentativa de calar os órgãos de comunicação neste governo.
Eu não sei se falei demais, já que hoje a tentativa de censura está no ar, mas é impossível ficar quieta quando estamos a beira de uma nova idade das trevas. Precisamos fazer algo e urgente. Usar dos instrumentos legais que estão ao dispor do cidadão. Afinal, vivemos todos neste país e tanto o presidente da República, como o restante dos políticos são nossos funcionários e não podem, em hipótese nenhuma, trabalhar contra nós.

2 comentários:

Will disse...

Só um "adendo" à sua opinião sobre o ato dos sem terra que já foi julgado e o resultado (pequeninho e escondido, claro)já saiu na imprensa. No dia anterior à invasão daquelas terras (que foram invadidas pela empresa, pois são terras públicas) 6 sem terras foram mortos por funcionários da empresa invasora que planta laranjas em "nossa" terra. Agora o que é pior: "matar pessoas, ou matar laranjas pra chamar atenção do que está acontecendo no Brasil com relação à propriedade?" Ficar com as informações da Globo, da Ana Maria Braga(acho que faltou laranja pro suco matinal dela, né?) não dá! Tem que conhecer e se informar dos dois lados. Tb sou contrário a esse "burro" que nos representa, perdeu a oportunidade de ser o grande político desse país por vaidade, covardia e burrice.
Um beijo.
Um beijo

Rinaldo Kassuga disse...

Não tem nada de exagero quando se fala com indignação a respeito de certas ações desse governo.
Governo que governa em causa própria no sentido de se manter no poder. E a exemplo da Roma antiga que distribui pão e diversão para a população se calar e fechar os olhos para não ver as falcatruas dos seus governantes.