É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

19 de ago de 2010

Para Sempre. Uma saga imortal

(spoilers)

Aqui estou eu, comentando mais uma vez um best seller americano que provoca arrepios nos mais puristas da literatura. Mas o fato é que sinopses a parte, e a deste livro não é muito boa, ou melhor, é péssima, Para Sempre (Editora Intrínseca, R$29,00), de Alyson Noël é bem mais que um simples best-seller escrito para os adolescentes.
É claro que não é um clássico, mas a história é empolgante e bem escrita.
Ever Bloom é uma garota feliz que tinha uma vida muito boa, com pais maravilhosos, uma irmã para brigar. Mas, um “acidente” mata toda a sua família deixando apenas ela viva.
Sem mais ninguém ela se vê obrigada a mudar de vida e morar com a única tia na Califórnia. A adaptação é difícil e na escola ela faz apenas dois amigos, Raven – uma menina chata e sem graça – e seu amigo Miles – esse sim um personagem que vale a pena.
Mas, ela mantém um grande segredo. Ao retornar de sua quase morte ela adquire poderes extra-sensoriais, e começa a ver a aura das pessoas, ouvir seus pensamentos e muitas vezes enxergar eventos futuros. É claro que isso é um fardo muito pesado para ela, que muda o comportamento e passa da “líder de torcida” para a garota mal vestida e invisível da escola.
Lá, ela conhece Damem Auguste, um garoto lindo, charmoso e que tem a capacidade de bloquear os poderes de Ever. É claro que um romance sairá destes contrastes.
O que ela não sabe, e nem os leitores, é que Damem é um imortal que vive sua eternidade em busca de seu grande amor mortal, a própria Ever, nunca concretizando esta união, pois ela sempre é assassinada por outra personagem imortal Drina.
Ao ler a história, lembrei-me do livro A Volta do Matusalém, de George Bernard Shaw, escritor irlandês que nasceu em 1856, que trata ao longo de suas páginas sobre a longevidade do ser humano. Também é possível se recordar de Highlander, dirigido por Russell Mulcahy em 1986, cujo protagonista é um imortal que luta para sobreviver já que “só poderá existir um”, fato que é citado no livro de Noël.
Em Para Sempre, alguns valores universais como a bondade, o perdão são tratados de forma criativa, ao lado da apresentação de fenômenos mediúnicos e das possibilidades de contato com o polissistema espiritual, muito bem apresentado pela personagem Riley, a irmã adolescente de Ever, morta no acidente, mas que se recusou a ir embora e agora vaga entre os planos espiritual e material.
Eu recomendo, mas leia sem preconceitos, pois a trama pode proporcionar uma tarde agradável e relaxante, sem as costumeiras irritações com péssimos textos que alguns destes best-sellers costumam nos “presentear”.



Série os imortais:



Para Sempre
Lua Azul
Shadowland (sem previsão de lançamento no Brasil)
Dark Flame (sem previsão de lançamento no Brasil)



Links:

Nenhum comentário: