É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

8 de jan de 2011

A Sociedade e as Drogas

Desde 11 de novembro a Wellcome Colletion, em Londres, apresenta a exposição High Society. Não se trata do famoso filme dirigido por Charles Walters de 1956, mas sim de um retrato do uso das drogas e suas relações com a sociedade ao longo dos séculos.
Os apaixonados por literatura e arte sabem que excelentes criadores fizeram uso de drogas alucinógenas para “viajar” em suas obras. Haxixe, Ópio, Heroína, já foram substâncias químicas permitidas socialmente, como diversão ou medicamento.
A exposição parte da premissa que todo ser humano, em algum ponto de sua existência, recorre às drogas sejam elas ilícitas ou não. Na lista de drogas estão a cafeína (Café, chá, chocolate), o álcool ou qualquer outra substância que estimule a dopamina.
Em uma época na qual o combate as drogas é pedra fundamental de governos como o americano e o brasileiro, uma reflexão sobre o papel que ela exerceu, e as mudanças de atitude em torno dela é bem vinda e talvez uma fonte inspiradora de análise para a formação de políticas públicas de combate a esta doença social.
A droga não é apenas um instrumento de prazer momentâneo, mas uma eficaz arma de controle da pessoa. Em Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, uma sociedade composta por castas já pré-determinadas geneticamente é mantida sob controle com o uso de uma droga chamada Soma.
Há pessoas que acreditam muito nesta versão, chegando a crer que a cocaína foi introduzida nos últimos quarentas anos como instrumento de controle do jovem. Verdade ou não, a exposição em Londres é uma ótima opção para quem vai passar as férias por lá.
High Society está dividida em cinco áreas que envolvem desde achados arqueológicos até a guerra entre Inglaterra e China devido ao tráfico de ópio protagonizado pelos ingleses.
High Society fica em cartaz até 27 de fevereiro na Wellcome Collection, 183 Euston Road, London NW1 2BE, com entrada gratuita.

Nenhum comentário: