É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

11 de mar de 2011

Quem ama a leitura não faz pirataria de livros

Vou iniciar aqui uma campanha, que valoriza não só os escritores, as editoras, mas a atitude correta e cidadã de cada um de nós. E não podemos esperar menos que isso de quem ama a literatura.
Saibam que a Pirataria é um crime que chegou com força na literatura. Todos os dias, sites disponibilizam gratuitamente downloads de livros recém lançados, como se eles fossem o “Robin Hood” dos tempos modernos. Rá! Grande piada!
Eu digo piada porque sob a falsa impressão de “divulgação do direito de ler” se esconde um crime, que poderá chegar a destruir a própria literatura.
Só o custo de preparação de texto, revisão, diagramação e impressão de um livro simples, de 392 páginas, tamanho 16x23 cm (Crepúsculo tem este tamanho) não saía por menos de quinze mil reais em 2010. Isso significa dizer que para repor os gastos o livro deveria ser vendido a quinze reais. Só que não podemos esquecer que há os direitos autorais dos escritores, que variam de 10% a 20% no Brasil; o custo da distribuição, a comissão das livrarias e os impostos, estes sim os vilões.
Na verdade, trinta reais é um valor muito baixo que se paga por um livro. Ele poderia ser mais barato? Sim, é claro. Se a população lesse muito mais, o que obrigaria as editoras a aumentarem suas tiragens o que reduziria o preço unitário e se os impostos governamentais (e isso inclui o imposto sobre o papel) baixassem.
Agora, o que faz uma pessoa que baixa um livro pirata da internet?
- Contribui com um crime.
- Reduz o emprego nas gráficas, pois as editoras terão cada vez menos dinheiro para imprimir os livros.
- Não paga o autor que está lhe proporcionando o prazer da leitura. Na verdade, o leitor esquece que a profissão do escritor é escrever livros e que ele precisa receber pelo seu trabalho.
- Ajuda a diminuir o número de livrarias
- Leva Editoras menores a fecharem as portas.
- Sem falar no emprego de revisores, preparadores de texto, tradutores que irão literalmente “para o espaço”.
É por isso que o verdadeiro amante da literatura, alguém absolutamente consciente do objeto de seu desejo, não faz uso de pirataria.
Nossos livros devem se comprados, emprestados, compartilhados e nunca “roubados”.
É muito fácil entrar nesta campanha. Se o seu amigo não puder comprar um livro, empreste o seu ou dê um novo de presente. Incentive as atitudes corretas e construa um Brasil melhor.
Quem ama a literatura não faz pirataria de livros.

2 comentários:

Luis Netto disse...

Oi, como vai? Muito boa a sua critica, mas convenhamos que os preços dos livros estão realmente abusivos. Você já conhece parte da nossa historia e sabe que compro muitos livros. Já foram mais de 900
Qual a alternativa que sobra? Sou contra baixar livros pela Internet, mas não sobra muitas alternativas. Uma delas, da qual estou me valendo, é comprar livros pela Internet, onde você consegue comprar livros que é ofertado nas livrarias por R$ 60,00 ou mais, por R$ 9,90 ou proximo disso.
Vou acabar criando uma empresa de locação de livros.
Parabéns, Soraia, seus textos são muito legais.

Luis

Desafio fora do padrão disse...

Olá Soraia, como vai? Faz tempo que você não publica nada. Aconteceu alguma coisa ou só excesso de trabalho?
Escreva assim que puder, pois seus textos e suas idéias são muito bonitos e diferenciados.

Luis Antonio