É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

10 de jun de 2011

Jane Eyre,uma heroína trágica

Constantemente me pergunto de que estofo vêm as tramas maravilhosas que lemos nos livros? Estariam os gregos certos ao associar Érato, a que encantava, às letras?
Difícil a resposta, por que nem mesmo eu sei dizer de onde vêm as ideias quando sento em frente ao meu notebook para escrever meus romances.
O fato é que após muitos anos reli Jane Eyre, um clássico da literatura inglesa que tive o prazer de ser apresentada aos 13 anos de idade. E vejo Érato em cada frase, letra, suspiro e capítulo deste livro denso como o chumbo e ao mesmo tempo suave como as brumas noturnas.
Jane Eyre, a protagonista trágica criada por Charlotte Brontë, nos apresenta um tipo diferente de significado para a palavra tragédia, algo inusitado, tão profundo que nos arranca lágrimas a cada parágrafo lido.
Na trama, Jane Eyre é uma órfã, criada por uma tia má e sem escrúpulos que foi jogada a sorte em uma escola de caridade, na qual viveu 8 anos. Depois, já preceptora, apaixona-se por um homem, Edward Rochester, uma figura forte, marcante, de gênio difícil e passional, mas cujo destino foi cruel e esta crueldade o afasta de Jane. Algum tempo se passa e a nossa heroína encontra seu caminha e se casa com Edward. Não um final feliz como estamos acostumados, mas um final que ela considera feliz e correto.
A trama é absolutamente absorvente. É quase impossível parar a leitura, pois o ritmo empregado nos diálogos, principalmente entre Jane e Edward, nos leva a uma emoção que só sentimos quando estamos diante de grandes autores.
Mas, há também partes absolutamente irritante, principalmente quando o diálogo é entre Jane e seu primo John, um missionário fanático, que tenta mudar Jane e transformá-la em sua esposa por conveniência, sem amor, apenas em um sentido totalmente manipulativo. Em minha opinião uma passagem aviltante. Você fica se questionando o tempo todo como é que alguém pode fazer uma proposta tão degradante a uma mulher como a que ele fez a Jane? Todo o tempo ele fala em nome de Deus, e como todo fanático religioso, comete os piores e degenerados erros.
Alguns personagens são fascinantes, como a menina Adèle e suas longas falas em francês (que infelizmente não foram traduzidas na versão em português e nos obriga constantemente a recorrer a um dicionário). A sra. Fairfax, a governanta de Thornfield e as primas Mary e Diana.
Não poderia também deixar de citar o jogo de diálogos entre a protagonista e Edward Rochester quando este se declara e a pede em casamento. A cena toda se desenrola em um pomar, debaixo de um grande castanheiro, a luz da lua, em uma fala escrita tão fluentemente que você tem a sensação de estar escondido em um dos galhos do castanheiro, ouvindo todo o diálogo.

“-Minha noiva está aqui - disse, puxando-me para si – porque aqui está minha igual, minha alma gêmea. Jane, você quer se casar comigo?
Continuei sem responder, ainda tentando me desvencilhar de seu abraço. Continuava incrédula.
-Duvida de mim, Jane?
-Completamente.
-Não acredita em mim?
-Em absoluto.” (*)

E segue neste ritmo, sem nenhuma descrição de beijo acalorado ou algo mais ousado a que estamos tão acostumados neste século, no entanto está tudo lá, escondido nas entrelinhas.
A leitura de obras clássicas quase sempre nos remete a literatura atual, não em um sentido de plágio – isso nunca- mas em um sentido de que os sentimentos e dramas humanos são sempre os mesmos e que há séculos lutamos pelos mesmos ideais: receber e dar amor, ser e receber justiça.
Durante a leitura eu vi muito dos livros que fazem parte da minha cabeceira nos últimos anos. Só para citar alguns mais conhecidos têm um pouco de Rebecca – o incêndio na mansão; um pouco de Bella Swan(Crepúsculo) – no caráter, no sentido de sacrifício; um pouco do Edward(Crepúsculo) – teimosia, força de caráter, drama pessoal a ser ocultado, etc.
A tradução da Editora Bestbolso está belíssima, exceto pelo fato de manterem frases em francês, sem um rodapé para traduzi-las. Perdoável se imaginarmos que o encantamento do livro fez com que editores e tradutores mergulhassem em um mundo onde ler e falar Francês era natural. Nessas horas é preciso voltar a terra e lembrar que isto aqui é Brasil, onde mal e má se fala e lê português.
Reler Jane Eyre é um prazer que recomendo aos amantes da literatura.

(*) página 296
Jane Eyre, Charlotte Brontë. Tradução:Heloisa Seixas. Editora Bestbolso. R$19,00


Nenhum comentário: