É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

8 de dez de 2011

Pretinho Básico

A pergunta “com que roupa eu vou?” será feita um trilhão de vezes por mulheres do mundo todo neste final de ano. Há tantas festas, coquetéis e eventos que fica difícil se contentar com o guarda-roupa tradicional. Resultado, um mergulho em compras e um buraco no cartão de crédito.
No entanto, se você der uma passada na livraria antes e adquirir o livro recém lançado “A Parisiense, de Inès de la Fressange”, com certeza economizará muito nas compras e sairá sempre charmosa como uma Parisiense.
Inès Marie Laetitia Églantine Isabelle de Seignard de la Fressange, modelo francesa, lançou este glamoroso livro todo ilustrado dando dicas de como se veste a mulher em Paris. Pasme, o guarda roupa delas costuma ser enxuto e bem provido de peças que são coringas. Em tempo de crise este tipo de informação é primordial, e também cultural, já que nos proporciona um passeio pelo “modo de ser” parisiense.
A leitura é agradável e vai desde o que comprar para vestir, passando pela maquiagem e endereços de compras que só quem vai para lá muitas vezes ao ano conhece. Para as simples mortais que não saem do Brasil é uma mina de ouro.
Um fato interessante que ela narra é que nunca se ouvirá uma parisiense reclamar da roupa, sabe aquelas queixas de roupa apertada, curta demais, salta estratosférico. Seria muito obvio, mas não é o que acontece aqui. Inès nos conta que as garotas lá aprendem desde muito cedo a comprar só o que “fica bem”, e isso significa dizer roupas confortáveis, de acordo com o seu modo de vida. Clareando: nada de cós baixo para gordinhas, micro saia para trabalhar, saltos nas nuvens para passar o dia todo no escritório, alias este ultimo item é uma mania brasileira inventada sei lá onde.
Só esta revelação já levaria metade de nossos guarda roupas embora. Depois ela fala das peças básicas como um suéter azul marinho, uma calça jeans de corte reto, um tubinho discreto, um casaco de bom corte, sapatilhas, calça de alfaiataria etc. O diferencial se faz nos acessórios.
O livro é uma novidade de fácil leitura e acesso, já que os preços dos exemplares são bem em conta, uma característica da Editora Intrínseca que merece todos os nossos elogios.
Um belo presente para o final de ano, aposto que todas as mulheres vão adorar.

Foto de abertura: Blog da Pri
Outras Fotos: Google

2 comentários:

Souver disse...

As brasileiras, belas e sensuais tem muito a apreender com as francesas: Elegância e na arte do bem vestir. Aqui, as mulheres estão sempre no fio da navalha, na tentativa de estar elegante e sexy. O resultado é quase sempre duvidoso e flerta com a vulgaridade. As francesas são sensuais com elegância. São sexy blaze! Ao contrário das nossas damas, jamais expõe "muita carne" ou vestem-se em desconforto!

Anônimo disse...

Obrigada por comentar Souver. Isso que vc disse é uma grande verdade. Fico muito triste quando olho para pessoas que poderiam estar lindas e elegantes, e acabam transparecendo uma vulgaridade. Acho que esta atitude tem muito da cultura brasileira, não a vulgaridade mas a necessidade de ser sexy. É tudo uma grande bobagem.
ACho que é por isso que adoro o modo de ser francês. abs
Soraya