É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

17 de jun de 2012

Branca de Neve e o Caçador

Branca de Neve, dentre os contos infantis, é uma dos mais conhecidos e talvez não haja uma pessoa que não consiga contar a história decorada. O conto, assim como muitos outros, foram coletados pelos irmãos Grimm na Alemanha. Eram histórias contadas na região da Floresta Negra. O que poucas pessoas sabem é que esta versão adocicada, com anões fofos e cantores, uma Branca de Neve quase adormecida, faz parte de uma série de adaptações e simplificações que foram feitas ao longo de séculos para tornar o conto  em algo que as crianças pudessem entender, culminando com a versão bem elaborada de Wal Disney para o cinema.

Na época da coleta dessas histórias, elas eram bem mais aterrorizantes e picantes. Na verdade eram tramas para serem ouvidas por adultos, a beira de uma lareira nas noites geladas de inverno.

Por que eu fiz toda esta introdução? Fica um pouco difícil avaliar o filme Branca de Neve e o Caçador, se você não tiver conhecimento deste fato. O filme, bem mais próximo do que teria sido a história na época em que foi coletada, nos coloca um mundo escuro, cheio de maldades, com uma bruxa que extrapola os limites do que é possível um ser humano fazer em prol do desejo de poder e beleza eterna.

Portanto, se você for ao cinema esperando anões cantadores e um príncipe apaixonado, esqueça. Escolha outra história. Branca de Neve e o Caçador é tudo, menos uma história romântica e mágica.

A primeira impressão fica com a escolha da atriz para o papel principal. Kristen Stewart é perfeita no papel de Branca de Neve, não só pela própria aparência, mas pela fragilidade e força que ela consegue impregnar o personagem. É bom avisar aos “narizes torcidos” que Kristen está completamente diferente da Bella de Crepúsculo.

A grande sacada do filme é a relação entre ela e o caçador Eric (Chris Hemsworth), a força da tragédia que os une, o comprometimento que vai aos poucos aparecendo é surpreendente. O homem que foi contratado para matá-la acaba protegendo-a e criando um laço tão forte com ela, que chegamos a torcer que o príncipe (Sam Claflin)  vá embora e ela se case com Eric e viva feliz para sempre.

A força dessa relação aparece em um monólogo inesquecível que acontece quando Branca de Neve está morta, toda vestida de branco em um leito dentro do castelo. O caçador é tão real, tão forte e o beijo é recheado de um amor tão puro e profundo que neste instante você vislumbra tudo o que a força do amor poder fazer.

Há outras cenas inesquecíveis, como os anões no Vale Mágico, a aparição de Branca de Neve após sua morte na porta do palácio e seu discurso contundente e depois a guerra para tomar o palácio que foi de seu pai.


A bruxa é outra história, uma atuação brilhante repleta de efeitos especiais que merecem sem dúvida a indicação para o Oscar de 2013. Há uma particularmente linda em que a Bruxa (Charlize Theron) se veste de corvos. Isso só para começar.

Branca de Neve e o Caçador é um filme para ser visto e revisto várias vezes, por que não dá para apreender todos os elementos que o diretor Rupert Sanders introduziu nas cenas.

Depois que o filme acabou eu corri a livraria para comprar o livro, e este também foi uma surpresa. Na verdade ele quase transcreve as cenas do filme, e por isso é uma boa recordação.

Eu adorei e tenho certeza que você também irá gostar muito.

Nenhum comentário: