É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

28 de jul de 2012

Quem conta um microconto, não pode aumentar nem um ponto.

O ditado é antigo (quem conta um conto, aumenta um ponto) e a versão apresentada no título representa a era em que vivemos hoje: espaços reduzidos, textos enxutos e os 140 caracteres do Twitter.
Fiquei surpresa quando me deparei com um concurso de microcontos do colunista Sérgio Rodrigues, no blog Toda Prosa, não porque o gênero me fosse desconhecido, mas pela qualidade dos exemplos apresentados na proposta do concurso.
Surpresa diante da perspectiva de escrever algo com  começo, meio e  fim em escassos 140 caracteres, empreendi uma pesquisa pela Web para entender um pouco mais sobre o tema.
O Twitter trouxe para os ocidentais, algo parecido com o que o poeta Bashô já fazia em seus Haicais, poemas mínimos escritos em língua japonesa.
“Ainda que morrendo
O canto das cigarras
Nada revela!”
A essencialidade deve transparecer com poucas palavras, apenas o suficiente para que a mensagem seja compreendida. No Twitter é assim, aprendemos a comunicar algo apenas com o necessário. Foi então que os escritores, eu diria mais ousados, experenciaram sua arte neste espaço subatômico de 140 caracteres.
De posse desta informação mergulhei no mundo da criação em 140 caracteres e confesso: - É bem mais difícil essencializar, reduzir que desenvolver capítulos inteiros e coerentes de um romance. Ao final enviei duas histórias:
Eu flutuava nua em uma concha levada pelo vento. A onda danada lambeu, estremeceu meu corpo e me deitou na marola do mar. Embeveci.
Big bang. Seu olhar se espalhou pela escuridão do quarto e atingiu meu coração com a velocidade da luz. Não deu tempo. Fez-se o universo.
Quando o Sérgio publicou o resultado, fiquei impressionada com a capacidade criativa dos autores, com a minimalidade que grandes ideias foram apresentadas. Vou reproduzir aqui os microcontos na ordem de escolha do colunista entre as 615 participações:

1º Mara Augusta Soares
“Ao pular na garganta do penhasco, ele sonhou.”

2º Leandro Henrique
 “Conto 150. Mas assim o conto não vale, diz: valor é isso menos 10. Peço o troco. Ele devolve 20. E assim é que se faz um desconto.”
3º Alexandro de Camargo
 “A escrita cuneiforme teve início com as garras das bestas-feras nas peles trogloditas. Cada confronto deixava gravado: “aperfeiçoe-se”.

(Outros exemplos referenciados pelo Sérgio, como os finalistas do concurso)
Carlos Seabra
“Os semícaros eram um povo unialado, cada qual com uma única asa. Para voar, tinham que escolher alguém e se abraçar.”
Edson Victor Lima
“Saco o iPhone para a última tuitada: “Me sigam, hahahaha.” Quem pode imaginar que essa é uma gargalhada de desespero? Pulo.”
Bárbara M.W.
“Clara abriu a gaveta de calcinhas. Era a decisão mais importante de seu dia.”

Igor H. Oliveira
“Quando ele entrou na caverna, o desenho do dinossauro ainda estava lá.”
Ricardo Fontana Alves
“Quando acordou, a folha em branco ainda estava lá. Monterroso levantou-se e fez um café. “Merda!”, exclamava.”

Aline Naomi
“Quando todos saíam, Otávio experimentava os vestidos da irmã e dançava em frente ao espelho ao som de Lady Gaga.”
“Ela se trancava no quarto, colocava o fone de ouvido e fingia dormir sempre que o pai trazia um homem diferente para casa.”
Daniele Cristyne
“O carregador de sacos de cimento e a mãe com seu bebê. Os dois se cruzam, cada qual com seu carrinho. Quem carrega o fardo mais pesado?”
“Entra no ônibus, deposita a mala no chão e afrouxa o nó da gravata. Ninguém imagina o quanto suou para fazer o corpo caber ali dentro.”
Denival Fernandes Moreira
“Diante do álbum de casamento, ela colhe os próprios escombros. A campainha, um sobressalto! Enxuga os olhos com pressa. Outra vez pode ser a polícia.”

Eduardo Sabino
“Quando o excêntrico primata fez o fogo, os outros animais nem imaginavam: aquele pontinho de carne, comemorando o feito, iria se alastrar.”
“Por pouco não era amor o que ela sentia por ele. Era humor. Tomou a rosa, colocou-a no vaso e, entre risos, apertou a descarga.”

Felipe Rodrigues Araujo
“As pessoas da fila eram jogadas no abismo por soldados. Bia não iria morrer assim. Escapou dos algozes. Correu e se matou com um salto olímpico. Iniciou a revolução.”

Jane Ciambelli
“Depois de trinta e sete mil palavras de amor sussuradas em seu ouvido ela se confessou completamente surda. E entediada.”
“Sozinha na sala de espera há cinco horas e doze minutos. Sem fé, lágrima ou pílula de cianureto. A porta do Centro Cirúrgico se abre e o médico vem em minha direção”
“Formiga laboriosa, chegou teu inverno. Tudo que é preciso e ninguém que te encante.”
José Marins
“Peguei no bebedor com florezinhas de plástico. Água com açúcar, ele veio. Bobinho. Asas brilhando na réstia de sol. Botei pinga na água. Prendi na gaiolinha.”
“A velha observa a quantia que entra na caixa das ofertas.
Terminada a novena, maneja a faquinha com destreza.
Só leva notas graúdas.”

“Os dedos do velho tremem em cima da seda.
Última lembrança dela.”

Kelly Maciel
 “Deves saber que encontrei o amor de minha vida. Peço que me perdoe. Sua irmã e eu devolveremos o dinheiro um dia. Obrigado por tudo. Eu.”
“Ela beijou a testa dele e correu porta afora. Através de seu copo de suco, ele enxergava o vulto dela e do outro como se previsse o futuro.”

Maria Fernanda
“choro,
e as lágrimas são pesadas
doem,
e sinto muito”

“quem era um dia foi
quem foi um dia ficou
e quem ficou, talvez
mereceu,
mas quem foi,
um dia também era
e fim.”

“Água clara lava a alma leva embora a alma velha.”

Matheus Mavericco
“Depois de dirigir, de passear um pouco, é tempo de limpar os pombos mortos no pára-brisas.”
“O mendigo, após ganhar na loteria, gasta o dinheiro no cassino esperando enriquecer.”
“A maquiagem que me enfeita não é o bastante para a superfície do espelho”
Rafael Zen
“Nos amávamos feito loucos e, obviamente, não ficamos juntos.”
“Numa caixinha de fósforos, com uma mortalha por cima, me entregou o amor e saiu.”
“Entrou num dilema: queria conversar com quem esqueceu das palavras.”

Vinícius Magalhães
“Casa Nova
Comprou um apartamento na planta: o caramujo.”
“Morte Gramatical
‘Era um bom sujeito…’, na oração dizia, em prantos, o amigo predicado.”
“No Bordel
Maria foi uma puta decepção.”

Zé Alfredo
“Incrédulo, o empresário Fernando olhava o bilhete de despedida deixado pela noiva. Fugira com o circo. Paloma apaixonou pelo palhaço.”
“No churrasco na laje, pediu-a em casamento mostrando o belo anel. O sorriso dela compensou o trabalho de cortar o dedo da vítima no assalto.”
“Regina queria apenas uma carona, contudo, quando o gordo lhe ofereceu cento e dez reais, descobriu a profissão.”

Links:



Nenhum comentário: