É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

29 de nov de 2012

Shadow of Night

(Spoilers)
Se você leu A Descoberta das Bruxas e gostou, prepare-se para se apaixonar por Shadows of Night, ainda sem data para ser lançado em português.
A autora Deborah Harkness provou que não sofre a tal síndrome do segundo livro, geralmente de baixa qualidade ou mero coadjuvante do primeiro. Shadow of Night é brilhante, encantador, misterioso e tão repleto de detalhes históricos que há momentos em que acreditamos verdadeiramente que na Época Elizabetana existia vampiros, bruxas, demônios e que a própria rainha usava um deles como espião.
É tão complexa a trama, que mistura fantasia, história, história da ciência e viagens no tempo que as quase 600 páginas passam e você não percebe, mesmo que a leitura seja feita em uma língua da qual não somos nativos.
Ficou apenas um problema: - O livro acaba e você precisará pacientemente esperar que o próximo seja lançado nos Estados Unidos e mais um tempinho para que a edição chegue no Brasil. E pelas informações da página de Facebook da autora, o próximo ainda está longe de acontecer.
Para quem não conhece a história, um breve resumo: No primeiro livro Diana Bishop, historiadora da ciência, bruxa que recusa-se a usar magia conhece um vampiro charmoso e misterioso, geneticista, chamado Mathew. Logo fica claro que o amor surge entre os dois, mas a Congregação, órgão formado por bruxos, vampiros e demônios, com a finalidade de organizar este mundo sobrenatural, não aceitará uma relação inter-racial. Além disso, Diana, sem querer, requisita um livro na Biblioteca de Oxford e este manuscrito enfeitiçado se abre para ela. É quando começa uma perseguição. Para fugir da Congregação e procurar o manuscrito, Diana e Mathew voltam ao passado.
É neste ponto que Shadow of Night começa. Bruxa e Vampiro chegam ao ano de 1590, governado pela rainha Elizabeth, uma época de incertezas, de bruxas caçadas na Escócia, de fanáticos religiosos e, por que não dizer, do brilhante Shakespeare e do demoníaco Marlowe.
Diana descobre então que a história não é exatamente como seus professores universitários contavam.
Diana e Mathew empreendem uma verdadeira trajetória na procura do manuscrito e na busca de uma bruxa que possa ensinar Diana a usar sua magia. Quando encontram Diana se vê cara a cara com toda a sua pesquisa alquímica e descobre que ela nunca seria uma bruxa igual as outras.
Mathew do presente ao voltar ao passado, precisa assumir suas funções que exercia naqueles tempos. Então ele se vê frente a frente com o que ele foi e no que se transformou, e isso o impulsiona a fazer mudanças...
Não é bom falar muito mais para não estragar a surpresa. O interessante, no entanto, é que ao ler este livro você fique atento as questões do tempo e da ligação perpétua entre passado, presente e futuro.
Sem dúvida nenhuma foi o melhor livro que li este ano, e por que não dizer, o melhor Romance em língua inglesa de 2012.
Se vou ler em português? Claro, no dia que chegar as livrarias um dos exemplares já estará reservado. Não é sempre que se encontra em ficção o verdadeiro equilíbrio entre o real e o sonho... e tem coisas que são melhores compreendidas na língua que falamos no dia a dia.
 
Imagens tiradas da página do Facebook da autora.
1. Representação Alquimica.
2. Capa do livro em inglês

Nenhum comentário: