É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

23 de jan de 2013

A Arte de Traduzir by Petê Rissatti


O que seria da vida de um leitor sem o tradutor? Você já pensou nisso? Quantas línguas você teria que falar e conhecer com fluência para apreciar a vida dos personagens que tanto ama?
Pensando nisso e na importância que este profissional tem em nossas vidas, entrevistei o tradutor Peterso Rissatti, ou Petê Rissatti como é conhecido.
Petê é tradutor desde 1999 da difícil língua alemã e do inglês. Já traduziu inúmeros textos das áreas jurídica, administração, finanças e marketing e livros de ficção e não-ficção. Além disso, Petê transita desde 2009 entre os “criadores de sonhos”. No ano passado lançou“Réquiem: sonhos proibidos” resenhado aqui no Prosa Mágica, e que considero um dos melhores livros que li em 2012.
Nesta entrevista ele nos explica com palavras apaixonadas a arte de traduzir, de trazer ao português obras que seriam inacessíveis. E fala um pouco sobre as decisões que um tradutor precisa tormar em momentos importantes do trabalho que realiza.
 
SF. Petê, você é um tradutor experiente e um escritor. Como você explicaria a um leigo - as pessoas apaixonadas por livros - o que é tradução literária, suas dificuldades e desafios?
PR. Oi, Soraya. Primeiro, agradeço a oportunidade de falar um pouco desta profissão tão desconhecida do grande público que é a tradução. Talvez por esse desconhecimento, seja dado pouco valor a um ofício tão bonito e, ao mesmo tempo, tão árduo. Muita gente pensa que basta saber uma língua estrangeira e trocar as palavras para o outro idioma. Porém, nenhuma língua é feita de palavras separadas, mas dos seus significados, das suas junções. E, além disso, cada idioma tem uma história, uma cultura por trás dele. Muitos dizem que não se traduz textos, mas culturas. Mesmo um texto técnico tem uma cultura embutida que não pode ser ignorada. E é aí que o tradutor entra com seu conhecimento, que vai muito além do idioma.
 
SF. Os leitores, os espectadores de filmes que conhecem um pouco de uma língua estrangeira se perguntam constantemente o porquê de determinadas mudanças. Vou exemplificar: o filme Angel Heart, do diretor Alan Parker foi traduzido no Brasil como Coração Satânico; Casual Vacancy, da J.K. Rowling se chama Morte Súbita. Em Harry Potter o nome James foi traduzido como Tiago. Você poderia nos dizer como essas decisões são tomadas? Quais são os elementos que levam o tradutor, ou editor, a realizar estas mudanças?
PR. Temos três situações aqui: o marketing, as decisões editoriais e as decisões tradutórias.
O marketing toma decisões para vender, basicamente. Como ficará melhor para o público, como venderá melhor, qual o impacto. Quando um livro está para ser lançado junto com um filme, em geral eles precisam “conversar”. Um exemplo que sempre dou é o do filme Unbreakable, do diretor M. Night Shyamalan (de O sexto sentido). A tradução do título foi Corpo fechado, que mexe com o imaginário brasileiro sobre a proteção divina, mística. O filme não tem absolutamente nada a ver com isso, é uma homenagem aos super-heróis. Uma excelente jogada de marketing.
A segunda situação é a decisão editorial. Os títulos em geral são pensados e repensados pela editora, pois eles são um dos cartões de visita (junto com a capa) de um livro. Por exemplo, o título Casual vacancy não pode ser traduzido ao pé da letra. É a ausência de um membro de uma assembleia ou órgão governamental por motivos de força maior: morte, renúncia, desqualificação etc. Não sei qual foi o caso, mas a tradutora deve ter dado suas sugestões e fecharam num título atraente, Morte súbita (que é o que acontece para a trama se formar). Traduzi um livro chamado Du sollst nicht lügen [Não mentirás], sobre um jornalista alemão que ficou 40 dias sem mentir. O livro é hilário, mas o título “Não mentirás” não ficaria bom mesmo. Optaram por Sincero com adaptação do subtítulo que ficava meio escondido na edição alemã (a história real bem-humorada de um homem que tentou viver sem mentir). Gostei muito, achei uma decisão acertada. Mas nem sempre foi assim.
A terceira, que tem relação com títulos, nomes de personagens e outros, é a decisão tradutória. O tradutor faz suas escolhas pelo conhecimento que tem da obra, do autor, da cultura e de tantas outras informações que, muitas vezes, fogem do que os leitores sabem sobre determinado tema. Apesar de não ter lido a série Harry Potter, Lia Wyler, a tradutora do bruxinho, é muito competente. Se optou por chamar James de Tiago, fazendo uso de uma “tradução” consagrada do nome bíblico, ela deve ter seus motivos, que muitas vezes não ficam claros para o leitor. E o processo editorial é bastante complexo, em geral muitas pessoas interferem de alguma forma no texto antes de ele ir para as livrarias, e algumas coisas podem fugir do controle do tradutor, mesmo não sendo esse o “mundo ideal”. E a vida do tradutor é feita de decisões: como o personagem vai falar, como o narrador vai se expressar, como chamar as inúmeras coisas que não existem no Brasil, como explicar sem ficar chato, como fazer o autor “escrever” em português de modo que o leitor fique feliz e satisfeito com a obra. Não é um trabalho fácil mesmo. [risos]
 
SF. Eu sempre penso no tradutor como um coautor do livro. Traduzir é reescrever?
PR. Pela lei de direitos autorais vigente, o tradutor é considerado “autor de obra derivada”, não coautor. Ao mesmo tempo, somos uma espécie de “representantes” do autor em língua portuguesa, ou seja, fazemos as vezes do autor para que as pessoas que não dominam a língua estrangeira possam desfrutar da obra. O poeta e tradutor Paulo Henriques Britto, no seu último livro, A tradução literária, faz um paralelo muito interessante: quando leio Kafka, não digo “li [o tradutor] Modesto Carone”, mas sim “li Kafka”. Confiamos que o tradutor escreveu o que Kafka teria escrito em português, como se o próprio Kafka tivesse escrito. Porém, houve a intervenção do tradutor para que aqueles textos chegassem até nós. O autor não deixa de ser Kafka, mas aquelas palavras que estão impressas no papel são “derivadas” da obra dele por alguém com capacidade de fazê-lo. É uma reescrita com liberdades medidas, calculadas.
 
SF. Qual foi o livro mais difícil de traduzir e o mais prazeroso?
PR. Até o momento, o livro mais difícil de traduzir foi Não tenho inimigos, desconheço o ódio [L&PM], do dissidente chinês e Nobel da Paz de 2010, Liu Xiaobo, traduzido do alemão. Não pela questão linguística, mas pelo assunto: a China. Tive dificuldade em encontrar fontes para confirmar ou mesmo obter informações das quais o livro tratava, sobre a situação da China hoje em vários aspectos: culturais, econômicos, sociais e outros. E ele me deu muito prazer, ao mesmo tempo, pois foi como desvendar um grande mistério, descobrir um país pouco conhecido por nós. Por coincidência, outro livro que traduzi para a L&PM, mas ainda não foi lançado, me deu um enorme prazer. Ele se chama Die Herrlichkeit des Lebens [O esplendor da vida], um romance baseado no último ano de vida do Kafka com sua última mulher, Dora. Encantador.
 
SF. Para um tradutor brasileiro é mais difícil traduzir do inglês ou alemão?
PR. Não dividiria a dificuldade por idioma, mas por livro. Cada um traz dificuldades diversas, desafios diferentes, provações várias que não podem ser medidas pelo idioma. Claro, o idioma alemão é mais complexo e soma-se a isso o contato mínimo que temos com a Alemanha e sua língua. Pouca gente conhece música alemã, a literatura alemã ainda é parca nas nossas prateleiras (apesar dos grandes nomes alcançarem sucesso, ainda é pouco, muito pouco). Mesmo assim, a obra e o autor ditam mais as dificuldades que o idioma.
 
SF. Por que tradução?  O que te levou a este trabalho?
PR. Quando adolescente, eu queria ser ator. Mas acabei desistindo das artes cênicas por uma série de fatores, um deles o econômico. E também sempre fui bem em inglês na escola. No ensino médio, uma professora (Lérida, lembro do nome dela até hoje) me disse que eu poderia fazer faculdade de tradução, que eu me daria bem. Fui meio desconfiado para a Faculdade Ibero-Americana, na época um dos centros de excelência em tradução, mas na primeira aula, com o prof. Fernando Dantas (já falecido), eu pensei comigo: é isso que eu quero fazer da minha vida.
 
SF. Deixe um recado aos leitores, aos admiradores do trabalho de tradução literária.
PR. Sempre que traduzo uma obra, penso o tempo todo no leitor. Ele é o meu cliente de verdade, é o meu chefe. Quando ele pegar o livro que traduzi, quero que sorria, fique satisfeito, chore com as passagens tristes, que sinta o que o autor quis dizer. Como escritor, sei que um dos prazeres de ter escrito uma obra é saber que as pessoas se identificam com ela, gostam dela, ouvem o que ela tem a dizer. Como tradutor, meu objetivo é o mesmo: que o prazer da leitura seja o máximo.
 

5 comentários:

Marcia Barbieri disse...

Bela entrevista e muito esclarecedora!

donadajanela disse...

Parabéns pelo grande trabalho, Petê!
Eu sou uma das pessoas que confia em tradutores!!!

Nanete Neves disse...

Bela entrevista, superdidática, explica direitinho a função e como é preciso amor pela literatura para exercê-la. Por isso você é tão bom no que faz. Parabéns para o blog e para você.

Ricardo Miñana disse...

Hola guapa, una entrevista interesante.
te dejo mis saludos desde Valencia.
feliz semana.

Soraya Felix disse...

Marcia,donadajanela, Nanete e Ricardo. Obrigada pelos comentários. O Petê é realmente uma pessoa muito especial e talentosa. Foi um grande prazer entrevistá-lo.