Pular para o conteúdo principal

O Mercador de Livros Malditos

Desta vez não foram as estantes da livraria que me surpreenderam com uma boa história, foi meu marido que viu, comprou, leu e adorou o livro do italiano Marcello Simoni – O Mercador de Livros Malditos.
Depois de ver o entusiasmo dele com a história, finalmente sobrou um tempinho para a leitura e o livro é muito bom. Mas quem é este autor “desconhecido”?
Marcello Simoni é ex-arqueólogo, bibliotecário e formado em Letras. O Mercador de Livros Malditos é seu romance de estreia e tornou-se um bestseller instantâneo fora do Brasil. Aqui, infelizmente, foi só passar os olhos pelos blogs literários e ver que os poucos que o citaram, publicaram apenas uma sinopse.
A forma de escrever de Marcello é deliciosa. Os capítulos são curtos, quase takes de um filme de suspense, ação e muito mistério. Uma história que se passa na idade Média e envolve monges, bispos, sociedades secretas e um livro que, teoricamente, colocará o leitor em contato direto com poderes angelicais.
A trama leva o leitor a um passeio pela Europa Medieval. Veneza, Tolouse, Santiago e Compostela e outras cidades da Espanha. Apresenta personagens fascinantes como o Mercador, um moçarabe, absolutamente inteligente e misterioso; Willalme, seu companheiro de viagem, um Sarraceno da  Languedoque perseguido pelos Cruzados que os consideravam hereges (Pode procurar nos livros de história que este fato tem bases verdadeiras), e um ingênuo rapaz, criado em um mosteiro, que nunca viu nada no mundo e de repente se põe nas estradas e caminhos que o levarão a uma aventura fascinante.
Marcello Simoni consegue reunir em seu romance detalhes históricos que compõem o quadro da idade média, com a sagacidade de Dan Brown e a inteligência de Umberto Eco, sem no entanto pesar a mão como acontece em O Nome da Rosa.
A crítica fica por conta do desinteresse no Brasil pela obra do autor. Uma breve pesquisa no Google já deixa claro que O Mercador não foi assunto de blogueiros. E ai cabe uma pergunta que só a Editora Jangada poderia responder:
- O livro foi enviado para os blogs para ser resenhado? – Veja bem, resenhar é diferente de colocar a sinopse.
- Blogueiros só escrevem sobre livros que recebem gratuitamente das Editoras? Ainda bem que eu conheço um ou dois que leem os livros que recebem das editoras e ainda passam na livraria para abastecer o estoque. Confesso que estou dando prioridade a eles, nestes tempos de falta de tempo.
O Mercador de Livros Malditos precisa ser lido e resenhado. É uma vertente diferente da maré de tramas parecidas que estão sendo publicadas ultimamente, e não digo isso como critica, pois sou leitora assídua de literatura fantástica e adolescente. O Mercador é um livro escrito para adultos, mas que poderá facilmente encantar um adolescente já iniciado em literatura clássica.
Enfim, eu recomendo como leitura de inicio de ano. Como um desafio a mente, como uma nova proposta. Tenho certeza que irá te encantar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Prosa de Quarentena

Li muito este ano, muito mais que li no ano passado inteiro, mas venho sofrendo de inconstância literária, o que significa que muitas vezes leio 500 páginas em 2 dias e outras, levo dois meses para ler 100. Neste exato momento estou na segunda alternativa, o que significa que a leitura de O Silmarillion segue devagar. Confesso que deixei de lado a paranoia de me obrigar a ler um monte de livros por causa do blog. Leitura é puro prazer, é amor ao texto, é observar as entrelinhas, e se deliciar com as formas como o autor mistura e brinca com as palavras, e isso não pode ser feito em um ritmo frenético. Posto esta explicação necessária, seguimos com o tema de hoje. A pandemia provocada pelo coronavírus no mundo e no Brasil. Entrei de quarentena (Isolamento Social) no dia 23 de março, junto com a minha amada cidade São Paulo. Até o dia 14 de abril trabalhei como uma condenada na preparação de aulas para os meus alunos – fato que não reclamo, pois confesso ter gostado muito desta