É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

14 de mar de 2013

Blog é assunto sério

Já faz tempo que quero abordar os blogs literários. São tantos que surgiram nos últimos anos que você acaba se perdendo em um “mar”, ou de sinopses copiadas ou de incentivo a pirataria. Sobram poucos que merecem a denominação de Blog Literário.
O Leitora Compulsiva (Escrito assim, sem os “s” do plural) é um dos blogs que merecem este nome. Suas resenhas, caracterizadas pela vestimenta de bate papo com o leitor, são coerentes, bem escritas, e você percebe que a autora realmente lê os livros antes de publicar qualquer coisa sobre eles.
A autora do blog é a advogada Camila Guello, que parece não medir esforços para trabalhar em seu blog. Sua produção de leitura é tão grande, que dá a sensação de que ela não vive na mesma dimensão das 24 horas diárias que todos nós vivemos.
O blog não se limita a resenhar livros.  Camila mantém a pagina Pense Nisso com textos polêmicos e questionadores sobre assuntos que permeiam o mundo dos blogs. Todos sempre com participação massiva de seus seguidores.
É sobre esta experiência de blogueira que ela conversou com o Prosa Mágica.
 
 
SF. Entre tantos blogs de literatura o Leitora Compulsiva passa uma imagem mais centrada, mais coerente, sem excesso de publicidade e sinopses que acabam preenchendo boa parte dos milhares de blogs existentes. Como você vê a proliferação de blogs de literatura, principalmente no quesito qualidade?
CG. Infelizmente, a busca desenfreada por fama e popularidade, além do interesse em livros gratuitos, fez com que inúmeras pessoas voltassem suas atenções aos blogs literários. Sem qualquer planejamento, centenas de blog estão sendo criados. A princípio, se auto-intitulam literários, no entanto, em uma tentativa de tornar o blog cada vez mais atrativo, passam a inserir informações sobre filmes, séries de TV, moda... Alguma preocupação com a qualidade? Nenhuma. Cansei de ver blogs “famosos”, cujas resenhas foram claramente produzidas com base na sinopse dos livros. Ou seja, o blogueiro nem ao menos se dá ao trabalho de ler o livro antes de comentar sobre ele. As pessoas não param para pensar na responsabilidade de ser um blogueiro. 
 
SF. Quais são os critérios que você usa para publicar, ou não, uma resenha sobre um livro? Você publica tudo o que lê?
CG. Eu costumo publicar resenhas de todos os livros que eu leio, independentemente de ter gostado ou não do livro. E busco ser o mais sincera possível no que escrevo. As exceções ficam por conta dos livros que recebo para avaliação, que ainda sequer foram publicados, e dos livros de autores nacionais que eu realmente detestei. Esta última exceção se justifica pelo fato de já ter sido perseguida por um autor nacional insatisfeito com a minha resenha. Isso aconteceu em 2009, mas desde então tenho tomado cuidado.
 
SF. Você recebe livros de Editoras para resenhar. Como é esta relação? Você se sente pressionada a ler tudo muito rapidamente devido a este compromisso, ou ler desta forma é uma característica intrínseca sua?
CG. Tenho uma relação muito boa com as editoras parceiras do Leitora Compulsiva. Não faço parceiras com editoras que não me permitem escolher o livro, justamente porque não me obrigo a ler alguma coisa que já sei que não vou gostar. É por isso que, quando recebo um livro de uma editora, ele já foi previamente analisado e eu já estou com vontade de ler, o que torna a leitura muito mais fácil. Costumo dar preferência sim aos livros de parceria, mas não me desespero com isso. O sistema usado pelas editoras é bem simples: recebo o livro, leio e faço resenha, mando o link para a editora e peço outro livro. Ou seja, se eu demorar um pouco para ler, o único prejuízo será a demora em pedir outro livro! Rs... Em 2013 fiz uma opção por reduzir o número de parcerias, justamente para ter tranqüilidade para ler o que já tenho na estante.
 
SF. Qual é a principal característica de um livro para você considera-lo bom, perfeito. O que te leva a ler compulsivamente?
CG. Para considerar um livro bom, ele precisa me fazer sentir fortes emoções. Os personagens precisam ser verossímeis, a linguagem precisa ser de fácil compreensão e o texto tem que fluir bem. Apaixono-me facilmente por histórias que tem algo de bom a ensinar. Adoro um suspense bem construído, que desperta uma curiosidade incontrolável para sabermos o final. Detesto ser surpreendida por um final trágico. Isso acaba comigo. Não quero saber que na vida nem tudo tem final feliz... Leio livros justamente porque eles não são a vida real. Para um livro ser perfeito, tenho que ser transportada para dentro da história!
 
SF. Em um de seus artigos mais recentes você falou sobre a pirataria de livros. Nele você usou uma frase particularmente genial “se uma boa desculpa transformasse o errado em certo, não tinha bandido na cadeia!”. Você tem alguma sugestão para que esta situação de pirataria de livros pudesse ser modificada? Qual?
CG. Infelizmente não há solução definitiva. Não quando se trata de seres humanos. É da natureza das pessoas querer levar vantagem. “Para que comprar um livro se eu posso baixá-lo de graça?” Seria necessário uma intensa fiscalização por parte do poder público e muita punição para pessoas que disponibilizam livros piratas. Como advogada, aprendi que as pessoas que as pessoas cometem crimes porque acreditam que nunca serão pegas, nunca serão punidas. E é isso o que acontece com os livros piratas. Alguém já ouviu falar de pessoas que foram presas, acusadas de pirataria de livros aqui no Brasil? Muito se fala sobre o preço dos livros. Alguns justificam a pirataria pelo fato dos livros serem caros aqui no Brasil, mas isso não é verdade. Se o livro custasse R$5,00, ainda sim teria gente baixando livros piratas.
 
SF. Os Blogs literários hoje fazem o papel que era restrito a uma minoria de críticos que escreviam para os jornais impressos? Por quê?
CG. Não sei bem se os blogs literários fazem o papel de críticos. Não me considero uma crítica literária. Não tenho formação em Letras ou Literatura que me permitam fazer uma crítica profissional sobre um livro, tal como as feitas em jornais e publicações especializadas. O que faço é “bater um papo” com o meu leitor. Gosto de contar sobre as minhas experiências como leitora e também saber sobre as experiências de outros leitores. Acho que é isso que atrai tantas pessoas para os blogs literários. As críticas em jornais são sempre muito impessoais, muito frias, muito limitadas à técnica de escrita. E os livros que aparecem nessas críticas, apesar de excelentes, não são aqueles mais próximos das pessoas.
SF. O que te levou a criar o blog?
CG. O que me levou a criar o Leitora Compulsiva foi carência. Rs! Eu amo ler e leio compulsivamente. Mas simplesmente não encontrava pessoas com quem dividir essa paixão. Meus amigos são daqueles que lêem no máximo 3 livros por ano e sempre me acharam um pouco estranha por ler tanto. E então, um belo dia, descobri um blog literário na internet e passei a acompanhar as resenhas, ler os comentários de outros leitores que diziam se sentir do mesmo jeito que eu, sem ter com quem conversar sobre livros. Passei então a procurar outros blogs e pensei que eu poderia fazer isso, poderia ter um canto para falar sobre o que eu amo e conhecer outras pessoas com essa mesma paixão.
 
SF. Você tem um livro de cabeceira? Qual?
CG. Engraçado isso, mas não tenho um livro de cabeceira e não entendo muito bem esse conceito. O que é um livro de cabeceira? Um livro de ficção que eu gostei tanto que merece ficar sempre à mão?! Isso é um conceito estranho para mim. Bom, o mais perto que tenho disso é um Evangelho segundo o Espiritismo, que costumo consultar para encontrar uma palavra de conforto. Vale?! Rs...
 
SF. Quem são seus autores prediletos? Por quê?
CG. Hum... pergunta difícil essa. Eu gosto de tantos gêneros literários e cada um deles tem autores tão incríveis que fica difícil escolher os prediletos. Mas se pensar nos autores em que, basta saber que tem um livro novo deles que já corro para a livraria, posso dizer que são: Meg Cabot, Stephenie Meyer, Sam Bourne, Vivianne Fair, Paula Pimenta, Nora Roberts (Mas leio somente a série Mortal).
 
SF. Na adolescência, houve algum livro especial? Ele te influenciou em alguma área de sua vida?
CG. Um livro que me marcou muito na adolescência foi o Estação Carandiru. Me lembro de estar no colegial, às vésperas do vestibular e esse livro me marcou muito. Eu já tinha escolhido o curso de Direito, mas o livro me fez refletir muito sobre a psicologia do criminoso. Até hoje é um assunto que me fascina.
SF. Qual é sua dica para os amantes da literatura que desejam fazer um blog?
CG. Acho que, antes de tudo, é necessário refletir sobre os motivos de se criar um blog. Se a resposta for sucesso, popularidade ou livros de graça, esqueça! Depois, um blog precisa ser muito bem planejado. Pense se você terá condições de manter o blog. Não pense que basta criar um blog que os livros cairão no seu colo. Não conte com as parcerias. Você tem tempo para ler, postar resenhas e dar atenção aos seus leitores? Tem dinheiro para comprar os livros, para fazer promoções e custear o correio? Ou então tem uma boa biblioteca por perto? Procure saber um pouco mais sobre a responsabilidade civil e criminal de um blogueiro. Lembre-se que se você é menor de idade, é importante pedir autorização dos seus pais, porque são eles que responderão se você fizer alguma coisa errada. Não acredite em tudo o que ouve sobre liberdade de expressão e de imprensa. Comece com calma, procure o seu estilo e seja sincero consigo mesmo. Não faça alguma coisa só porque outro blog faz. E principalmente divirta-se. O blog deve ser motivo de alegria e não de preocupação e desespero.
 
 
Fotos: Arquivo Pessoal de Camila Guello
 
 

4 comentários:

Camila disse...

Muito obrigada pelo carinho, Soraya. Fiquei muito contente em participar da entrevista e poder contar um pouco mais sobre o Leitora Compulsiva. E é claro, me senti muito honrada pelo convite.
Beijos
Camila - Leitora Compulsiva

dona de casa também se arruma disse...

Parabéns pela entrevista,seu blog realmente se destaca em relação aos demais blogs literários,beijos!!!

Elis Costa disse...

Realmente, são poucos os blogs hoje em dia que realmente se expressão bem e realmente podem ser denominados Blogs Liteários. O leitora Compulsiva realmente s destacou entre todos os outros blogs que já conheci. Parabéns Camila e Soraya, bela entrevista!
O trabalho de vocês realmente me inspira

Elis Costa disse...

Realmente são poucos os blogs hoje em dia que podem se denominar Blogs Literários.
O leitora Compulsiva realmente se destaca entre os poucos que realmente são blogs literários.
Parabéns, Soraya e Camila, bela entrevista.
O trabalho de vocês como blogueiras realmente me inspira.