Pular para o conteúdo principal

As Luzes de Setembro

Autor: Carlos Ruiz Zafón
Tradutor: Eliana Aguiar
Trilogia da Névoa Vol III
Editora: Suma de Letras
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 232
Avaliação Prosa Mágica: 10

- O que faz um autor grandioso?
Tenho certeza que esta pergunta permanecerá sem resposta por muitos séculos, por que escrever é um ato tão interior, tão único, que qualquer tentativa de pontuá-lo com teorias seria frágil e injusto. No entanto, ao me deparar com o texto de Carlos Ruiz Zafón, fica muito difícil não defini-lo como o tal “autor grandioso”.
O nome de Zafón me chegava aos ouvidos através do livro A Sombra do Vento, que nunca li, e não havia me interessado. Algo nele me lembrava do desastrado “A menina que roubava livros”, uma das leituras que classifiquei como péssima, e isso me afastou de A Sombra. Só que nos últimos tempos uma amiga vem falando constantemente dele e decidi dar um crédito ao autor. Quem bom! Pois a leitura de Zafón me levou a terras da linguagem que eu sequer havia imaginado. E não é só isso, tomei consciência da injustiça em compará-lo com o terrível A Menina que roubava livros.
Comecei a ler Zafón por seus livros mais antigos, e As Luzes de Setembro, escrito em 1995. É o terceiro da Trilogia da Névoa, que na verdade pode ser lida em qualquer ordem pois cada livro aborda uma história diferente.
No verão de 1937, a viúva Simone Sauvelle, atolada em dividas feita pelo falecido marido, decide abandonar Paris e mudar-se com seus filhos Irene e Dorian para uma cidade no litoral da Normandia. Lá, ela começa a trabalhar como governanta de Lazarus Jann, uma fabricante de brinquedos que mora em uma mansão com a esposa doente. Apesar de tratar a viúva e seus filhos de uma forma Cortez, Lazarus esconde um segredo, que começa a vir à tona com a morte de Hannah, que trabalhava na casa, e com a investigação que seu primo e pescador Ismael começa a empreender.
Ismael e Irene se apaixonam, e aquele verão na Baia Azul e suas aventuras os acompanharão pelo resto de suas vidas.
Pela sinopse já dá para perceber que o livro é diferente. Não é tão juvenil quanto sua classificação tenta pregar, mas tem “um quê” de juventude, mesclada ao mistério e terror, com um fundo se surrealidade.
Na trama há uma sombra, um ser maligno que persegue e mata. Ao final da obra você percebe que o autor apresentou de uma forma metafórica a maldade que rondava o mundo naquela ocasião, as vésperas da II Guerra Mundial.
O livro é fascinante, profundo, cativante, envolvente. Você quer chegar ao final para saber o que vai acontecer. É impossível largá-lo.
Carlos Ruiz Zafón escreve as cenas de maneira fílmica, com um ritmo ascendente nas cenas de ações que de uma forma comparativa, poderíamos associar aos filmes de Indiana Jones. Veja bem, estou falando em ritmo, cadência e não conteúdo.
Também há um referencia forte do Fausto de Marlowe, só que neste caso o homem foi substituído por uma criança indefesa, maltratada e faminta que ingenuamente promete seu coração em troca de proteção. Só que esta pessoa, apesar de ajudá-la rouba sua sombra, que passará a persegui-lo quando Lazarus se apaixona e entrega seu coração a uma mulher.
O que é incrível em Zafón é a forma como descreve as cenas, na maioria das vezes com uma intensidade poética e metafórica tão grande, que causa estranheza diante das cena de terror.
O autor nasceu em 1964, o que me espanta. A forma como ele introduz a sombra que correu o mundo no pré-guerra, a sombra de um Hitler assassino, que em um primeiro momento se fez de salvador e depois colocou suas garras a mostra (no livro representado, a meu ver, por Daniel Hoffmann), é de quem viveu na época do ocorrido.
Mas, é como  disse, Zafón é um gênio nas metáforas, e pode ser que esta tenha sido a minha interpretação da trama e que você, leitor, encontre outras facetas que não consegui enxergar.

Eu recomendo a leitura deste livro, para jovens de 15 a 100 anos. Em cada fase da vida recairá um presente: - Aos adolescentes e jovens, a aventura e romance, para os adultos, as recordações e as metáforas. Se ele é um gênio? Só a história da literatura dirá, mas o que é um rótulo diante da grandeza deste texto?

Outros livros do autor:
A Sombra do Vento 
O Príncipe da Névoa (Trilogia da Névoa)
O Palácio da Meia Noite  (Trilogia da Névoa)
O Prisioneiro do Céu

Comentários

Roberta disse…
Mutio bacana, a resenha. Fiquei com muita vontade de ler!!!! bjs
Roberta disse…
Resenha muito bacana! Fiquei com muita vontade de ler este livro.
SORAYA FELIX disse…
Oi Roberta, o livro é muito bom mesmo, uma surpresa.
Obrigada por participar do blog. bjs
a outra sombra disse…
O livro já esta na minha estante "lacrado". ão vejo a hora de lê-lo ;)

Bjs
a outra sombra disse…
O livro já está na minha estante "lacrado" ;)
Espero lê-lo em breve.

Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Prosa de Quarentena

Li muito este ano, muito mais que li no ano passado inteiro, mas venho sofrendo de inconstância literária, o que significa que muitas vezes leio 500 páginas em 2 dias e outras, levo dois meses para ler 100. Neste exato momento estou na segunda alternativa, o que significa que a leitura de O Silmarillion segue devagar. Confesso que deixei de lado a paranoia de me obrigar a ler um monte de livros por causa do blog. Leitura é puro prazer, é amor ao texto, é observar as entrelinhas, e se deliciar com as formas como o autor mistura e brinca com as palavras, e isso não pode ser feito em um ritmo frenético. Posto esta explicação necessária, seguimos com o tema de hoje. A pandemia provocada pelo coronavírus no mundo e no Brasil. Entrei de quarentena (Isolamento Social) no dia 23 de março, junto com a minha amada cidade São Paulo. Até o dia 14 de abril trabalhei como uma condenada na preparação de aulas para os meus alunos – fato que não reclamo, pois confesso ter gostado muito desta