Pular para o conteúdo principal

Cidade da Meia Noite

Autor: J.Barton Mitchell
Tradução: Flávia Cortês
Editora: Jangada
Ano de Lançamento no Brasil: 2014
Ano de Lançamento do Livro: 2012
Número de páginas: 445

Avaliação Prosa Mágica: 8


Cidade da Meia Noite é um livro inusitado e de certa forma inovador. Foi o acaso que o colocou em minhas mãos e agradeço a esta força que me levou ao seu encontro.
Confesso não ter gostado dos dois primeiros capítulos: - excessos descritivos, parágrafos curtos demais, elementos que se fossem cortados não fariam diferença alguma na trama.
No entanto, de repente, J.Barton Mitchell se torna um gigante, como se houvesse finalmente encontrados os trilhos de sua criação. Então, você descobre que é absolutamente impossível parar de ler o livro.
Cidade da Meia Noite é uma encruzilhada de gêneros. É ficção científica, sem dúvida, mas também é realismo fantástico com toques de distopia. Além disso, você tem a sensação inicial de ler um livro para adolescentes com uma temática adulta, que vai crescendo em profundidade conforme a história se desenrola.
- Para quem ele escreveu este livro?
É a pergunta que fica ao final do último parágrafo. A única resposta plausível é que Cidade da Meia Noite foi escrita para amantes da boa literatura.
O livro fala de uma invasão alienígena nos Estados Unidos (Você fica sem saber se o mesmo ocorreu em outras partes do mundo). Quando os aliens chegaram, os adultos da Terra de repente foram dominados por um fenômeno chamado Estática (Tone em inglês, que poderia ter sido traduzido como Voz.). Todos, ao mesmo tempo se transformaram em uma espécie de Zumbi e caminharam em direção a um único ponto. O que aconteceu com eles? – Ninguém sabe.
No entanto, crianças e adolescentes não sofrem o efeito da Estática, mas apenas até que se tornem adultos, quando são enfim dominados e seguem sempre para o mesmo lugar. Além disso, apenas algumas pessoas não são dominadas, e essas são chamadas imunes.
Oito anos depois da invasão você conhece Holt, um jovem imune, caçador de recompensas. Ele está à procura de Mira, uma Bucanera, cuja cabeça está a prêmio na Cidade da Meia Noite. É obvio que o encontro dos dois é eletrizante. Ambos possuem segredos, dores, medos e acabam se ligando de uma forma inesperada.
Em meio a tudo isso, Holt encontra Zoey, uma estranha garotinha que não se lembra de seu passado e que aos poucos começa revelar poderes estranhos.
É depois que Zoey entra na vida de Holt e Mira que as coisas começam a acontecer, e ambos veem sua vida ser virada de pernas para o ar. Os Confederados – como são chamados os aliens na trama. – os perseguem ao mesmo tempo em que lutam entre si. O que aquela garotinha tem para provocar tamanho estrago?
Você segue a trama suspenso por uma tensão que não se dissipa no final. O livro faz parte de uma série chamada “Saga da Terra Conquistada” que já está no terceiro volume fora do Brasil. Então, agora só nos resta ficar na torcida para que o segundo e o terceiro saiam rapidamente aqui, para que você possa avançar mais um pouco nesta história e talvez vislumbrar seu final.
Cidade da Meia Noite tem tudo para fazer muito sucesso aqui no Brasil. Michell é um mestre em criar no papel coisas que só podemos ver nos filmes e isso faz de seu livro algo especial, algo que me deixou feliz, por que mais uma vez fui surpreendida.
Se você não leu, corra para a livraria.





Comentários

Camila disse…
Olá, Soraya.
Ainda não conhecia esse livro, mas parece ser do tipo que eu gosto!!!
Fiquei bem curiosa agora!!
Beijos
Camis - Leitora Compulsiva
SORAYA FELIX disse…
Oi Camila, O livro é muito bom mesmo e mais uma série para nos deixar ansiosos pelo próximo. Ele foi lançado em Abril e tenho certeza que você vai gostar.
Depois que ler me conta.
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Prosa de Quarentena

Li muito este ano, muito mais que li no ano passado inteiro, mas venho sofrendo de inconstância literária, o que significa que muitas vezes leio 500 páginas em 2 dias e outras, levo dois meses para ler 100. Neste exato momento estou na segunda alternativa, o que significa que a leitura de O Silmarillion segue devagar. Confesso que deixei de lado a paranoia de me obrigar a ler um monte de livros por causa do blog. Leitura é puro prazer, é amor ao texto, é observar as entrelinhas, e se deliciar com as formas como o autor mistura e brinca com as palavras, e isso não pode ser feito em um ritmo frenético. Posto esta explicação necessária, seguimos com o tema de hoje. A pandemia provocada pelo coronavírus no mundo e no Brasil. Entrei de quarentena (Isolamento Social) no dia 23 de março, junto com a minha amada cidade São Paulo. Até o dia 14 de abril trabalhei como uma condenada na preparação de aulas para os meus alunos – fato que não reclamo, pois confesso ter gostado muito desta