É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

18 de jun de 2014

Abril em Paris



Autor: Michael Wallner
Tradutor: Sabine Dorle Krzikalla
Editora: Rocco
Ano de Lançamento: 2006
Número de páginas: 192
Avaliação do Prosa Mágica: 5


Sempre acreditei que algumas tramas valiam a pena pelo seu valor histórico, mesmo que fosse inteiramente ficção, mas a referência, a memória de algo que aconteceu. Há muitos livros que fazem isso magistralmente, que nos mostram principalmente os horrores da Segunda Guerra Mundial e do nazismo através de personagens cuja alma ficcional é verdadeira. São personagens que nos fazem chorar e sofrer, às vezes sorrir e ter esperanças, por que eles poderiam ter existido, são factíveis.
Imbuída neste pensamento comecei a ler Abril em Paris, uma trama que se passa em 1943, na Paris invadida por tropas nazistas.Lá, um jovem cabo alemão, alguém que foi a guerra sem nenhuma convicção, faz traduções e vive os horrores dos porões de tortura. O cabo Roth também é um curioso, e sai pelas ruas de Paris vestido de francês e nessas andanças conhece Chantal, a bela filha de um livreiro que ganha a vida dançando nu para os soldados alemães. Roth descobre tarde demais que Chantal é uma militante da Resistência, tarde demais para ele que se apaixona perdidamente.
A trama em si é muito interessante, de certa forma simples e novesleca: - soldado alemão se apaixona por mulher inimiga. – mas, deixa tanto a desejar em termos de qualidade de desenvolvimento, que você chega a torcer para que os personagens morram logo, para que você possa terminar a leitura.
Não dá para acreditar no Roth e na Chantal descritos pelo autor. Eles são inverossímeis, inconsistentes, chegam a não possuir uma “alma”. Roth não é um soldado alemão em conflito, suas dúvidas não chegam a convencer. Por outro lado, a Chantal mais parece uma garota que não saber exatamente quem é, e cuja força não serviria nem para abrir uma janela.
O livro é ruim, falta poesia, falta verdade, falta emoção. Os Autores de novela brasileira escrevem muito melhor este tipo de trama.
Muito me espantou o fato do autor ser alemão. Falta a profundidade e o peso que estes autores tão bem empregam em sua escrita. Falta o que eu chamo de beleza crua da literatura alemã.
Enfim, Abril em Paris deixa a desejar.


Nenhum comentário: