É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

4 de jun de 2014

O Estranho Mistério das Quartas-Feiras

Autor: Julie Bourbeau
Tradutor: Cláudia Barcellos
Capa e Ilustrações: Jason Beene
Editora: Jangada 
Ano de Lançamento Brasil: 2014
Ano de Lançamento do Livro: 2012
Número de páginas: 248
Avaliação Prosa Mágica: 10


Eu nunca comentei um livro infantil aqui no blog, mais por falta de oportunidade que outra coisa. Quando vi que a Editora Jangada estava lançando este livro com um nome que ficava entre o estranho e o bizarro decidi que era hora de resenhar algo assim. E não me decepcionei. E a história que li é mais ou menos assim:
A vida na Vila onde Max, um valente menino de 10 anos, é quase normal, exceto pelas quartas-feiras, dia em que a população se tranca em casa para evitar os problemas e desconfortos causados pelos acidentes que só ocorrem as quartas-feiras. Max, como todo menino, se cansa de ficar trancado em casa e desafia o dia, saindo em busca do mistério. Ele acaba descobrindo muito mais do que gostaria. As quartas-feiras são seres fedorentos, disformes (cabeça grande, corpo achatado e membros longos), com olhos prateados e, algumas delas com dentes afiados e um “ar” assustador.
Max pega então a tal da quarta-feirite e passa a enfrentar pequenos acidentes que ocorrem a sua volta durante o restante da semana. E não é só isso, o menino começa a se parecer cada vez mais com uma quarta-feira e descobre que foi escolhido para ser o Próximo, ou seja, o próximo a se transformar em uma quarta-feira. Para se livrar desta confusão, Max vai precisar da ajuda de seu fiel amigo Noah, de Gemma, a menina que quer ser jornalista, do Dr. Conkle-Smoak, um parapsicólogo medroso e estranho, e do Sr. Grimsrud, um veterano de guerra cujas quartas-feiras não o afetam. E não podemos nos esquecer da feiosa e valente quinta-feira, um cachorro que vive grudado no senhor Grimsrud.

As quartas-feiras e o Max
O Estranho Mistério das Quartas-feiras, de Julie Bourbeau, é um livro que poderá ser lido tranquilamente por crianças entre 8 e 14 anos, mas que encantará  a todas as idades. E, como todo bom livro infantil, a trama esta recheada de mensagens positivas.
Para começar, Julie Bourbeau nos leva a uma viagem pelo que é a vida de uma pessoa discriminada pela sociedade por ser diferente. Max é tratado no vilarejo como se tivesse uma doença contagiosa, que os habitantes chamam de quarta-feirite. Neste sentido, o isolamento e a tristeza de Max ficam evidentes em várias passagens da trama.
Por outro lado, a autora também nos chama para o contato entre os diferentes, o respeito que o garoto desenvolve pelas “quartas-feiras do bem” e como ele arriscará sua vida para que quartas-feiras inocentes não sofram pelas que são “do mal”.
Tem um outro ponto em O Estranho Mistério das Quartas-feiras que trata da força do pensamento. A “mente da mente” falada pelas quartas-feiras nada mais é que uma alegoria da força que nosso pensamento possui, e como pensamentos ruins podem causar acidentes e destruições. É muito emocionante ver como Max tenta controlar seus pensamentos para que coisas ruins não aconteçam.
Se você tiver mais de 14 é sempre bom lembrar que o livro foi escrito para crianças, e se repete algumas vezes sem que isso signifique inabilidade de escrita ou pobreza de linguagem. É uma técnica para auxiliar na leitura de quem ainda não construiu este hábito. Além disso, o humor da autora é delicioso. Começando pelo nome do cachorro “quinta-feira” e passando pelos terrores da terça e as críticas às segundas.
Além disso, têm cenas hilariantes como a que o parapsicólogo lambe uma parede para detectar o sobrenatural, a mãe do menino tentando se livrar dos dejetos dos passarinhos que insistem em cair em seu cabelo.
É difícil dizer o que gostei mais no livro, se foi a mensagem embutida, se é a capacidade da autora em nos deixar com medo e apreensivos com o que vai acontecer ou se é a incrível habilidade de nos transportar para um mundo imaginário que abandonamos há muitos anos, quando deixamos de ser crianças.
E por último deixo minha esperança por uma continuação, pois algumas perguntas ficaram no ar:
- O que as quartas-feiras fazem quando não é quarta-feira?
- O que realmente aconteceu com as garotas e o número um?
Tem mais uma pergunta, mas esta eu não posso fazer sem contar o final.
Alguém tem alguma ideia das respostas para elas???
Jullie Bourbeau





4 comentários:

Elis Culceag disse...

Oi Soraya!
Também resenhei esse livro no meu blog, fiquei encantada com o alcance do enredo dentro de uma história relativamente simples, há mesmo várias mensagens positivas embutidas de forma que a narrativa não se torne forçada ou arrastada. Ótima resenha =)
Beijos... Elis Culceag. * Arquivo Passional *

Camila disse...

Oi, Soraya.
Eu adoro livros infantis e ainda não conhecia essa história. Estou curiosa para saber qual a resposta a essas perguntas! rs...
beijos
Camis - Leitora Compulsiva

Soraya Felix disse...

Camila, a história é muito legal. A autora consegue prender do começo ao fim.
Semana que vem vou publicar a tradução de uma entrevista da autora para um blog fora do Brasil. No começo da semana chegou a autorização para fazer isso e dei pulos de alegria.
Obrigada pela participação.
bjs

Soraya Felix disse...

Elis,
A história é realmente muito boa. Vou ler a sua resenha.
Obrigada pela participação.
bjs