Pular para o conteúdo principal

A Garota do Penhasco

Autor: Lucinda Riley
Tradutor: Henrique Amat Rego Monteiro
Editora: Novo Conceito
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 528
Avaliação do Prosa Mágica: 9

Lucinda Riley se transformou em minha leitura de cabeceira, isso não é segredo aqui. Desde a primeira vez que me deparei com um livro dela fiquei tão encantada que aguardar os próximos se tornou uma tortura angustiante. Felizmente depois de A Casa das Orquídeas logo veio A Luz através da Janela, A Garota do Penhasco, A Rosa da Meia Noite e o recém-lançado As sete irmãs.
Você deve estar se perguntando então, por que deixei para ler A Garota do Penhasco só agora?
- A resposta, querido leitor, é que talvez eu tenha deixado este livro para uma entressafra de traduções, e como ela não ocorreu, finalmente cedi ao encanto de ler este conto de fadas moderno.
A Garota do Penhasco é uma história fascinante de duas famílias irlandesas conectadas por um passado terrível e que a primeira vista parece cíclico. Grania Ryan, uma talentosa escultora, volta à casa de sua família na Irlanda para fugir de um grande desgosto que assolou sua vida. Lá, Grania conhece Aurora Lisle Devonshire, uma garotinha quase etérea, na borda de um penhasco em meio a uma tempestade. Esse encontro muda sua vida.
Grania descobre então que há um segredo envolvendo sua família e a família de Aurora e mesmo sendo advertida pela mãe a não se envolver com eles, Grania acaba apaixonada pela menina. Um tesouro de cartas antigas datadas de 1914 revelam um passado de sacrifícios, segredos e amor. A terrível I Guerra Mundial, o destino de uma criança abandonada aos cuidados de um Lord e o ballet, que parece estar no sangue daquela criança. E a menina Aurora parece ser um ponto chave que irá finalmente unir e sanar as dores dessas duas famílias.

A Garota do Penhasco é um lindo conto de fadas, mas não pense que vai encontrar o príncipe estereotipado, a princesa frágil e vilões cruéis. A trama é feita de seres humanos comuns que compartilham dores, amores, sonhos e renuncias, assim como possuem um lado obscuro e cruel dentro de si mesmas. A única criatura etérea é Aurora, a garota de 8 anos que nos conta a trama, e que acertadamente diz que se sente com 100 anos em uma das passagens do livro. Ela é adorável.
A escolha da narradora foi acertada. Por que Aurora parece estar acima de todos, como se fosse um anjo. E, através de uma visão inicial que parece totalmente infantil você consegue enxergar o amadurecimento da trama e dos personagens.
Lucinda Riley falou no blog Reflection of a Book Addict que Aurora é a primeira personagem que ela escreve que é puramente ela mesma. Isso é muito interessante, por que ela dá a entender na entrevista que passou por situações muito semelhantes a da personagem, e isso fica muito claro quando você perceber a força de sentimentos que a personagem nos oferece ao longo da trama.
A vida pode ser muito feia e cruel, e Lucinda Riley não nos poupa em nenhum minuto disso. Ninguém é totalmente feliz, todos possuem tristezas, duvidas e sentimentos que na maioria das vezes nos fazem duvidar da existência de algo maior que nós.
Grania, a escultora, é fascinante. Uma pessoa charmosa, mas enredada em sua própria trama de sentimentos, que ora demonstra uma capacidade de amor sem limites, em outras um orgulho que supera os limites da razão. Apesar de Aurora ser a narradora, é Grania o fio condutor da história.
Agora falando de bailarina para bailarina, Lucinda dá um tom de balé em A Garota do Penhasco. O livro parece dividido em sequências da dança com passos contínuos e cadenciados. Ora gira leve como um Fouetté bem feito, ora é alegre como echappés e changements, e ora percebe-se uma tristeza e introspecção ao flertar com um longo e generoso fondue.
Sinceramente, não tenho palavras adequadas para descrever o livro, de tão encantador, emocionante e profundo que é esta obra de Lucinda Riley. O que posso aconselhar é a leitura, não só de A Garota do Penhasco, mas dos outros livros. A autora é uma daquelas pessoas mágicas que tem a capacidade de nos elevar a outros planos, de nos tirar da terra e de nosso mundo, como se fizéssemos uma viagem virtual dentro da vida e corpo de outra pessoa.

Em A Garota do Penhasco você irá até a Irlanda, e falando sério, dá para sentir na pele os ventos gelados e o ar de maresia enquanto lê. É simplesmente genial.

Comentários

Camila disse…
Oi, Soraya.
Deixa eu perguntar uma coisa... Quando estivemos naquele evento com a Lucinda no Shopping Morumbi ela comentou que os livros foram lançados fora de ordem pela novo conceito. Por acaso esse é o livro que deveria ser lido depois de "A Casa das Orquídeas"?
beijos
Camis - Leitora Compulsiva
SORAYA FELIX disse…
Oi Camila,
Na verdade este livro foi lançado antes de "A Casa das Orquídeas". Fora do Brasil ambos foram lançados em 2011.
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Prosa de Quarentena

Li muito este ano, muito mais que li no ano passado inteiro, mas venho sofrendo de inconstância literária, o que significa que muitas vezes leio 500 páginas em 2 dias e outras, levo dois meses para ler 100. Neste exato momento estou na segunda alternativa, o que significa que a leitura de O Silmarillion segue devagar. Confesso que deixei de lado a paranoia de me obrigar a ler um monte de livros por causa do blog. Leitura é puro prazer, é amor ao texto, é observar as entrelinhas, e se deliciar com as formas como o autor mistura e brinca com as palavras, e isso não pode ser feito em um ritmo frenético. Posto esta explicação necessária, seguimos com o tema de hoje. A pandemia provocada pelo coronavírus no mundo e no Brasil. Entrei de quarentena (Isolamento Social) no dia 23 de março, junto com a minha amada cidade São Paulo. Até o dia 14 de abril trabalhei como uma condenada na preparação de aulas para os meus alunos – fato que não reclamo, pois confesso ter gostado muito desta