É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

24 de ago de 2015

O Gigante Enterrado

Autor:  Kazuo Ishiguro
Tradutor: Sonia Moreira
Editora:  Companhia das Letras
Número de páginas: 400
Ano de Lançamento: 2015
Avaliação do Prosa Mágica:  9+
                             


Imagine uma mistura de JRR Tolkien, Beowulf e um toque mágico dos contos de Grimm!!! Ponha uma pitada de poesia japonesa e o talento dos britânicos para nos contar histórias. O Gigante Enterrado, do nipo-britânico Kazuo Ishiguro é tudo isso e muito mais.
Ishiguro, em seu primeiro romance em dez anos, nos conta uma fábula espetacular com referências sólidas a um manuscrito do século XIV chamado “Sir Gawain e o Guerreiro verde”, cuja versão critica mais famosa é de, nada menos, que J.R.R.Tolkien e que serviu como fonte de inspiração para a criação de O Senhor dos Anéis.
O manuscrito conta como Sir Gawain, cavaleiro do rei Arthur, sai em uma missão secreta pelo reino. No livro de Ishiguro, Sir Gawain está velho, com sua armadura enferrujada, mas a vontade ferrenha de cumprir o objetivo dado por Arthur o move até os últimos capítulos.
O tempo em que acontece a trama é algum ponto do passado remoto da Grã-bretanha, quando saxões e bretões guerreavam. A ilha ainda era algo cercado do místico e ogros, fadas, gigantes e dragões podiam ser encontrados em qualquer trilha que os personagens seguissem. E, é ai que reside o charme e a genialidade de história.
Quando Ishiguro mescla história real e lendas, e associa a questão da velhice você se depara com algo novo, inusitado.
Beatrice e Axl são dois idosos, que vivem em uma vila parecida com a dos Hobbits, trabalham para a comunidade e quando a noite chega são privados da luz, pois os Conselheiros não lhe deram o direito de ter uma vela. Talvez este fato seja uma alusão a obscuridade que eles vivem.
Como todos os habitantes daquele lugar, Beatrice e Axl sofrem de um esquecimento, que é provocado pelo hálito de uma dragoa. Mas eles não sabem disso. Ambos tinham esquecido que tinham um filho, um jovem que eles acreditam viver em uma aldeia não muito longe dali. Munidos de coragem, eles saem de sua aldeia em busca deste filho e sequer se lembram de seu rosto, apenas sabem que ele está em algum lugar. Como o Bilbo e Frodo, que se lançam no mundo para viver aventuras.
Na estrada eles encontram todo tipo de gente, mas o primeiro encontro será marcante. Um barqueiro que conduz as pessoas para a ilha da morte. Beatrice, que parece sempre mais curiosa, acaba descobrindo que os mortos passam por uma entrevista e, se não conseguem convencer o barqueiro que sua união é verdadeira, separam-se e nunca mais se encontrarão.
Depois eles encontraram um menino e um guerreiro. Juntos eles seguirão a trilha do mosteiro, até que Sir Gawain finalmente apareça na trama.
O autor foi tão hábil em sua escrita, que a cada passo que o casal de idosos dá, sua memória parecer clarear. É como se a busca que eles fazem pelo filho, fosse na verdade, uma jornada interior em busca de si mesmo e de suas lembranças.
A dragoa é uma referência muito forte. Em certo momento você percebe que ela não é apenas o objetivo dos personagens, mas o coração da trama, e como “ente” vivo na história, ela insiste em nos embaçar a mente e seu véu só irá se dissipar, na medida em que Axl começa a lembrar de seu passado. Chega a ser empolgante este exercício de passagem entre o esquecimento, fragmentos de lembrança e o retorno da memória.
O questionamento sobre o esquecimento é interessante. Tem um momento que ele chega a questionar o próprio Deus “e se uma coisa não está na mente de Deus, então qual é chance de ele permanecer na dos homens mortais?"
Há também uma questão atual, em face aos massacres e torturas vis cometidas ao longo da história da humanidade. Na trama de Ishiguro o guerreiro Saxão questiona indignado o esquecimento dos massacres cometidos pelos cavaleiros de Arthur. A grande questão quando chegamos a este ponto do livro é: - Devemos colocar um véu de esquecimento sobre as atrocidades cometidas pela humanidade em favor de uma falsa paz? E, a pergunta é tão atual que nos deixa perplexos.
Tem outro aspecto bem explorado na trama – o amor conjugal. Axl e Beatrice representam o amor na forma de amadurecimento. O encontro com o barqueiro os deixa preocupados, pois eles esqueceram todos os momentos que viveram juntos devido a feitiçaria que ronda aquelas terras. Há sempre uma pergunta no ar: - Pode o amor existir para além do esquecimento? – Pode um casal se amar, mesmo que os bons e os maus momentos não possam mais ser compartilhados como fragmentos do passado?  Ishiguro foi hábil em responder esta pergunta.
Há uma estranheza neste romance, algo que Shakespeare conseguiu fazer muito bem em suas tragédias. Muitas cenas são tão intangíveis que poderiam ser clichês, mas não são. Há momentos onde o diálogo é o ponto mais forte da cena, apresentando um forte tom de teatralidade.  Mas não é só isso, o final é surpreendente, não por que ele apresente-nos um elemento surpresa, mas pela simplicidade e pela ausência total de maniqueísmo. As coisas simplesmente acontecem e são como nosso cotidiano.  
O título do livro não é obra do acaso. Ao longo da leitura você percebe a metáfora do título e onde ela nos leva.
Kazuo Ishiguro nos presenteou com um livro que ora é uma aquarela japonesa, ora um poema épico como o Beowulf. Há momentos deliciosos de Galdalf e outros de profundo pesar, como Sauron.

Confesso que ao terminar o livro fiquei completamente sem palavras. 

Um comentário:

Camila disse...

Uau!!
Ainda não conhecia o livro, mas agora quero muito um exemplar!!!
Fiquei encantada com as coisas que você disse sobre ele!
Beijos
Camis - Leitora Compulsiva