É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

11 de fev de 2016

A Maleta da sra. Sinclair


Autor:  Louise Walters
Tradutor: Fátima Pinho
Editora:  Essência
Número de páginas: 352
Ano de Lançamento: 2014
Avaliação do Prosa Mágica:  9+


Não sei o que acontece, mas tenho uma tendência a gostar bem mais de escritores ingleses que os americanos. Os escritores da terra da rainha devem ter Shakespeare no sangue, sei lá. E, Louise Walters é inglesa, de Oxfordshire, um lugar que eu amo e que parece inspirar histórias instigantes.
A Maleta da sra. Sinclair fala de livros e de histórias de vida. Fala também de recordações, as perdidas, que chegam através de cartas, fotos e cartões esquecidos em livros vendidos a sebos, e também nos conta sobre recordações que vivem como feridas abertas, que precisam ser revolvidas para que possam definitivamente cicatrizar.
O livro de Louise Walters é sobre Roberta, a mulher do presente, que trabalha em uma loja de livros novos e de segunda mão, e fala de Dorothy, a mulher do passado, repleta de segredos e arrependimentos.
Roberta recebe de seu pai uma maleta. Dentro dela encontra uma carta escrita por seu avô que parece revelar um passado diferente do que ela conhecia.
Sua avó Dorothy, guarda um segredo de dor e amor, enterrado no passado e que parece afetar a estrutura familiar sempre tão equilibrada e “correta”.
Em um vai e vem temporal, transitamos entre 2010 e os tempos da guerra. Um zig-zag alucinante que nos deixa muitas vezes perplexos com seus desdobramentos.
Cada capítulo é pontuado por uma carta, foto ou recado, que Roberta coleciona todas as vezes que os encontra nos livros que estão a venda na Old & New. Recados que constroem uma vida paralela a trama do livro, recortes de outras pessoas. Você se sente como se estivesse em frente de uma janela de um apartamento alto, a noite, observando os outros prédios ao redor e pensasse: - o que estarão fazendo todas estas pessoas? O que sentem? Terão problemas graves ou suaves? – É aquele momento em que você sente que não existe apenas você no mundo, e que nunca saberá o que se passa ao seu redor, por que as histórias individuais são quase secretas.
É com este espírito que Louise escreve, construindo uma trama delicada e fascinante, que aos poucos vai quebrando tabus e revolucionando o pensamento.
Não gostei da personagem Dorothy. Ela é chata, complexada e boba. Não consigo vê-la como anti-heroína. É apenas uma pessoa que não gostaria de conhecer na vida real, mas que tem papel preponderante na trama.
Já Roberta é fascinante, repleta de vida, vontades e uma capacidade imensa de realizações. É alguém que você gostaria de ter como amiga e passar longas horas conversando.
A Maleta da sra. Sinclair é um daqueles livros que se sente falta quando termina. Eu gostaria de saber mais a respeito de Roberta e sua coleção de esquecimento. Eu queria saber mais sobre o seu romance e seu futuro.
Mas, assim é a vida. Olhamos para milhares de rostos todos os dias, conversamos com um ou dois, por acaso no ponto de ônibus, no supermercado, e depois ficamos sem saber o fim da história que este personagem da vida real nos contou.

Eu vou reler este livro, não tenho dúvidas disso.

Um comentário:

Camila disse...

Olá, Soraya!
Finalmente estou conseguindo comentar de novo!! rs..
Ainda não conhecia esse livro, mas achei a história interessante.
Que pena que não gostou de uma das personagens, mas pelo menos a outra te ganhou!! rs...
Acontece...
beijos
Camis - Leitora Compulsiva
www.leitoracompulsiva.com.br