É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

27 de mar de 2016

O Rouxinol


Autor:  Kristin Hannah
Tradutor: Claudio Carina
Editora:  Arqueiro
Número de páginas: 432
Ano de Lançamento: 2015
Avaliação do Prosa Mágica:  10


Antes de ler a resenha, ouça o canto do Rouxinol:




O que você sente quando ouve este canto? Alegria, felicidade, jovialidade, força, coragem, qual sentimento te toca mais fundo?
O pássaro rouxinol é associado a muitas lendas e mitos. De Homero a Shakespeare, o pássaro já foi o fim de muitos personagens, mas o fato é que a maioria dos mitos nos remete a sentimentos de lamento, tristeza e comoção. Não seria diferente no livro de mesmo nome, de Kristin Hannah.
Na tranquila aldeia de Carriveau, Vianne Mauriac está se despedindo do marido que vai para guerra. A personagem não acredita que os nazistas invadirão a França, mas isto acontece tão rápido que mal dá tempo para que ela pense, e quando percebe tem um alemão morando em sua casa.
A irmã Isabelle é impetuosa, e desde os primórdios da guerra busca uma forma de ajudar o país a se livrar da praga nazista.
O Rouxinol é um livro tocante, profundo que mexe com o leitor desde a abertura e nos suspende no ar nas cem páginas finais.
A abertura de visão da autora, que nos mostra o cotidiano de pessoas comuns durante a guerra e daquelas que sacrificaram sua própria vida para combater o nazismo, tece a trama que nos conduz a um final surpreendente.
Vianne é alguém que você pode encontrar com mais freqüência. Pessoas comuns, que não querem fazer nada mais que proteger suas vidas, até que algo as abala e a suas percepções se ampliam, trazendo a coragem para o seu cotidiano.
Isabelle é a que dá o brilho na história. É ela que vai enfrentar céu e inferno para salvar a vida de pilotos cujos aviões foram destruídos pelos nazistas, é ela que dá o tom da coragem e da participação efetiva das mulheres nesta guerra sangrenta, que matou aproximadamente 47 de milhões de pessoas entre civis e militares, sendo que cerca de 1 milhão de judeus morreram em campos de concentração.
Também tem Beck, o alemão que fica aquartelado na casa de Vianne. Um soldado obrigado a entrar em uma guerra deixando sua família e filho, e que acreditava na defesa de seu país, até que se depara com atos de seu exército que causam vergonha. Tem uma passagem tocante em que ele expressa este sentimento. É Beck que dá o contraponto a qualquer visão radicalista, mostrando que sempre existe outro lado de uma mesma moeda.
O Rouxinol é para quem quer conhecer, quem busca fazer o segundo olhar sobre um mesmo tema. É nele que perecebemos, e nos chocamos, em quanto as mulheres foram (e ainda são) relegadas ao segundo plano. Enquanto os homens receberam medalhas e honrarias por seus feitos, as verdadeiras guerreiras nunca foram lembradas.
Kristen, neste ponto, fez uma grande homenagem a estas anônimas mulheres através das figuras de Isabelle, Vianne, Rachel e tantas outras que aparecem na trama.
É um livro de leitura obrigatória.



Um comentário:

Camila disse...

Oi, Soraya.
Estou com esse livro aqui na estante, mas ainda não tive coragem de pegar para ler. Tenho tanta resenha para escrever, que estou me dedicando mais a colocar minhas coisas em dia do que ler. Mas assim que tiver um tempo, vou ler esse livro com certeza!
beijos
Camis - Leitora Compulsiva