É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

8 de jul de 2016

Would you like a cup of tea?

Devonshire tea.

Algumas tradições estão tão arraigadas em um povo, que raramente o hábito escapa das páginas de um bom livro de ficção. Não seria diferente com o “Five o’clock tea”, o famoso chá das cinco que é venerado pelos britânicos.
No entanto, a ironia para esta tradição é grande. Quem introduziu o hábito foi a portuguesa Catarina de Bragança, que ao se casar com Charles II levou o costume para a Inglaterra. Mas foi uma “glutona” que espalhou o hábito, a sempre faminta Anna Maria Russell, duquesa de Bedford, que precisava se alimentar de algo entre o almoço e o jantar.
Hoje em dia, o Chá das Cinco é tão habitual, que você pode encontrá-lo em qualquer lugar da Grã-Bretanha, e degustar sempre os melhores blends.
Quando estive em Londres pude ter uma xícara de chá em todos os lugares que estive. No Reggent Park ela veio com uma pequena e delicada leiteira de porcelana repleta de um delicado e saboroso leite. No National Galery, o chá veio acompanhado de scones com creme devonshire, uma iguaria que não se encontra aqui. E, em pleno Embankment Garden – um jardim no meio da cidade – o chá, apesar de simples, era forte e podia ser degustado em meio as arvores e flores, em um ritual que nos remetia a séculos passados.
Não é por acaso, que no livro “Alice no País das Maravilhas”, a personagem é convidada para o chá do chapeleiro maluco, repleto de guloseimas e porcelana fina e exuberante. Gosto demais desta cena. Sempre achei que é nela que Alice se encontra verdadeiramente diante do paradoxo que sua vida se tornou.
Em Jane Austen, o chá permeia bate papos e decisões importantes, e quem não imaginou a Sra. Bennet em um chá das cinco com amigas tentando casar uma de suas filhas?
Fato é que autoras contemporâneas trouxeram este hábito para suas paginas, e mesmo quando o livro trata de literatura fantástica, o bom e velho chá ainda é pano de fundo para muitas revelações. Na trilogia All Souls, Deborah Harkness nos apresenta cenas extensas cuja personagem principal, uma bruxa, senta-se com seu amante, um vampiro, para degustar e falar sobre os benefícios e delicias do chá.
Qual é a beleza de tudo isso? É que a literatura, assim como a vida, é feita de pequenos detalhes. O chá é apenas um deles, e todas as vezes que ele surge em páginas de livros, pode ter certeza que seu criador possui o dom e o sabor da palavra.
E, já que hoje é sexta: - Que tal um chá e um bom livro? 

@ FOTOS: Fonte de pesquisa das imagens é o Google Images. Não consta o nome dos fotógrafos. Caso alguém conheça por favor informar para que possa dar os devidos créditos.

Nenhum comentário: