É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

26 de mai de 2017

A Árvore dos Anjos

Autor:  Lucinda Riley
Tradutor: Vera Ribeiro
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 496
Ano de Lançamento: 2017
Avaliação do Prosa Mágica:  10


Eu acredito que todas as coisas mágicas aconteçam na época de Natal. O mundo e as pessoas parecem estar mais conectados com o bem, com o amor e com a vontade de tolerar o próximo. É como se um portal de luz se abrisse e todos transitassem entre dois mundos diferenciados.
A Árvore dos Anjos, de Lucinda Riley, é um destes portais que se abrem quando você começa a ler. Escrito no inicio da carreira da escritora e agora relançado, ele nos envolve com sua trama mágica que mistura amor, alegrias, tristezas, mistérios e um toque de terror.
Greta, a protagonista da trama, inicia o livro sem memória, sem saber qual foi o seu passado. Ao lado do encantador David, ela se dirige para o solar Marchmont, uma deslumbrante residência rural no País de Gales. É lá que Greta, após um passeio inocente, começa a destravar as portas de seu passado, que iremos saborear ao longo das páginas deste livro.
Greta se lembra da filha, e começa a descobrir o quanto Cheska é uma mulher fascinante e desequilibrada, que de certa forma, manipula os fios da trama de A Árvore dos Anjos.
É um livro que nos alerta o peso que as decisões têm em nossas vidas. O quanto o passado se reflete no futuro de forma a moldá-lo com seus braços de ferro. Durante toda a trama você se pergunta se o que acontece com Greta é total responsabilidade dela, ao mesmo tempo em que percebe que a personagem não tinha opção. Quem de nós não teria feito o mesmo?
Já Cheska no leva a pensar em quanto ainda estamos envolvidos com a beleza exterior, e por isso nos deixamos manipular por ela. O quanto atrás de um rosto de anjo pode morar um demônio das trevas. É profundo, questionador e ao mesmo tempo repleto de esperanças.
A Árvore dos Anjos tem um texto impecável, fluido em seu vai-e-vem temporal, característica forte da autora. Eu particularmente adoro tudo o que ela escreve.
Este livro de Lucinda Riley é para ser lido por quem gosta de refletir sobre a vida e sobre como mudá-la para melhor, mas também pode ser lido por quem quer apenas se distrair.
Neste período sabático em que fiquei afastada do blog por motivos familiares, período em que não conseguia ler nenhum livro, pois nenhum deles prendia a minha atenção, já que em minha vida pessoal eu estava vivendo algo mais intenso que um romance de ficção, foi um verdadeiro prêmio voltar a ler pelas mãos desta hábil escritora. E, confesso, só tenho agradecer a Lucinda Riley. Ler sobre as perdas, neste momento em que perdi minha mãe, aqueceu meu coração repleto de saudades.

Obrigada Lucinda Riley!

Monmouthshire, no País de Gales. Local se localiza o Solar Marchmont.

Nenhum comentário: