É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

5 de ago de 2019

Madame Kardec. A história que o tempo quase apagou




Autor:  Adriano Calsone
Editora: Vivaluz
Número de páginas: 282 + publicidade
Ano de Lançamento Brasil: 2016
Avaliação do Prosa Mágica: 7
                       

Creio eu que é a primeira vez que publico este gênero de livro aqui. Madame Kardec é uma biografia de uma grande dama da Doutrina Espírita, Amélie-Gabrielle Boudet, esposa de Alan Kardec.
O livro de Adriano Calsone tem uma característica de romance biográfico, com algumas falhas que prejudicam gravemente a leitura. O inicio é confuso demais. Por volta da página 50 o livro começa a deslanchar, no momento em que Amélie passa a ser o foco principal da trama, sem se preocupar com Napoleão Bonaparte, prefeitos etc. É quando o papel da personagem se mostra presente. É quando se apresenta sua contribuição para a codificação da Doutrina Espírita, e depois todo trabalho e empenho para mantê-la dentro de seu rumo correto, lutando contra o machismo, a ganância, e o misticismo muito característico da época.
Amélie-Gabrielle é uma mulher muito a frente de seu tempo. Criada para ser independente, cercada de livros tornou-se artista,  professora e escritora de livros pedagógicos e poesia de grande importância na França. Casada com Allan Kardec, alguns anos mais jovem que ela, sua biografia nos mostra a relação de amor e cumplicidade vivida entre os dois.
Se você assistiu a produção recente de Allan Kardec no cinema,  Madame Kardec irá complementar a história de maneira que você compreenda a personagem tem um papel primordial na construção do Espiritismo. Talvez sem ela, Kardec não teria tido forças suficiente para chegar aonde chegou.
É um livro que eu recomendo com a ressalva: - vença a primeira parte como se você estivesse tirando a casca de uma noz, para chegar na verdadeira iguaria.


Nenhum comentário: