É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

23 de ago de 2019

Por uma vida mais simples


Autor:  André Cauduro D’Angelo
Editora: Cultrix
Número de páginas: 232
Ano de Lançamento Brasil: 2015
Avaliação do Prosa Mágica:  -
                       


O que é a felicidade? Com certeza cada um de nós tem uma frase para explicá-la, mas o certo é que a felicidade não é algo exterior a nós, mas faz parte de quem somos como essência.
Sócrates, o filosofo, não acreditava na felicidade como a satisfação de nossos desejos, mas o ato de ter uma conduta justa e honesta. Já Aristóteles, discípulo de Platão, acreditava que também precisamos suprir nossas necessidades básicas como a boa saúde, a liberdade (em oposição a escravidão) e situação socioeconômica adequada. Também acreditava que felicidade era fruto de uma harmonia e equilíbrio na prática do bem.
Em seu livro “Por uma vida mais simples”, André Cauduro D’Angelo discute a felicidade como fruto de uma simplicidade autoimposta.
O livro tem uma abordagem bem interessante, e é muito bem embasado já que é fruto de uma pesquisa acadêmica.
Se tomarmos por base apenas o fato de Aristóteles falar sobre equilíbrio, percebemos que o retorno autoimposto a uma simplicidade, por si só não funciona.
Quando você pesquisa o tema percebe que todas as pessoas que abandonaram a vida que levavam e optaram por uma “simplicidade”, eram muito ricas. E, de certa forma, preenchiam vazios interiores com carros, roupas caras, excessos alimentares e outros bens absolutamente supérfluos. Não havia equilíbrio.
Não consigo imaginar uma pessoa que vive o dia a dia em condições de “escassez” fazer um discurso desses.
Você percebe que as pessoas que mais falam em simplicidade, são as que mais abusaram dela. E, mesmo retornando a este estado, ainda possuem capacidade para “bem estar de saúde e socioeconômico”,pois o que lhes faltava era apenas a liberdade, já que estavam completamente obliviadas pelo material.
Então, quando li o livro fiquei pensando naquelas pessoas que moram no interior do país, que possuem tão pouco para viver, que precisam muitas vezes implorar por um atendimento de saúde ou para ter uma comida um pouco diferente na mesa. Será que elas diriam que essa “falsa simplicidade” é algo bom?
A meu ver, e está é minha opinião, quando vejo pessoas falando que vão abandonar seus hábitos de consumo (geralmente excessivos), ou que não irão trocar de celular e carro como se troca de roupas, mas vivem em uma casa muito boa, tem plano de saúde, usam roupas de qualidade e mesmo morando em um sítio, não vivem em taperas, fico questionando se isso é realmente uma opção pela simplicidade ou seguir uma tendência.
Parte das pessoas vivem imersas em um mundo de “mentiras”, na qual consumo em excesso preenche um vazio interior renitente. Ser simples não é adotar o modelo “São Francisco de Assis” e sair nu pelas ruas. Simplicidade está no caráter, na forma como nos relacionamos com as coisas, a comida, a moda e o mundo. Ser simples é ser honesto com seu próprio ser
.

Ser consciente no consumo, não ostentar bens materiais, se preocupar com o próximo, com a natureza sempre fez parte dos deveres da humanidade, o que aconteceu no último século foi que as pessoas se desviaram desta rota.
Tenho consciência que extrapolei o estilo “resenha”, mas minhas desculpas são que este não é um livro para se resenhar, mas para se debater as ideias, e confesso que estou adorando fazer isso aqui no blog.
Você vai me perguntar se vale a pena ler; SIM, vale muito. Não é possível você discutir um assunto sem conhecimento mínimo sobre o tema, e por outro lado, ele também servirá como reflexão de vida.
Leia e depois me conte o que sentiu.

Nenhum comentário: