Pular para o conteúdo principal

Postagens

Ler muda a alma – Dicas para criar o hábito saudável da leitura

Foto: Designed by Freepik           Olá queridos leitores e leitoras! Quem você quer ser nesta vida? A pergunta parece descabida para um começo de postagem, mas tem tudo a ver com o texto de hoje. A resposta a esta pergunta está conectada com a frase “sou ou não sou um leitor”. Se você for, perfeito, seu olhar se alonga cada vez mais; se você não for, bem... a probabilidade de seu olhar para os fatos, as coisas, as pessoas e o mundo estar restrito é muito grande. Mas vamos com calma. Devo confessar que não existe nada que me deixe mais chateada do que ouvir alguém dizer que não tem tempo para ler. Isso porque quase sempre, a frase vem recheada de outros absurdos como: - Tenho outras prioridades na minha vida. - Isso é para quem tem tempo. - Quem precisa ganhar dinheiro não tem tempo para bobagens. E aí segue uma lista gigante de desculpas e mais desculpas. Quase sempre (por experiência própria) essas pessoas perdem seu tempo em redes sociais, em vídeos bobos, ou então
Postagens recentes

A Ilha Perdida

Vamos começar do principio: - Isso não é uma resenha e nem teria como ser. A Ilha Perdida é um livro que faz parte do meu histórico como formação de leitora, e é claro que uma miríade de sentimentos está envolvida no que vou falar aqui. Em primeiro lugar é importante dizer que nunca li um livro da Coleção Vaga Lume obrigada, porque nenhum professor me solicitou. Eu lia os livros que pediam para meu irmão, dois anos mais novo e que pegou a onda das escolas publicas trabalharem a coleção. Meus professores me apresentaram os clássicos ingleses. Li Jane Eyre (Charlotte Brontë), David Copperfild(Charles Dickens), Morro dos Ventos Uivantes (Emily Brontë), todos eles das Edições de Ouro. Eu já era uma apaixonada por leitura e acabei me encantando cada vez mais. Lembro-me da primeira leitura de A Ilha Perdida, a aventura de dois meninos que resolvem desobedecer ao tio e atravessar o rio de barco para explorar uma ilha misteriosa, no meio do rio. Era emocionante e ao mesmo tempo transgres

Clube de Leitura da Casa da Fraternidade

“A Leitura nos abre novas portas e alonga o nosso olhar”   Desde agosto de 2022 A Casa da Fraternidade promove um encontro mensal de seu Clube de Leitura. Iniciamos a jornada como um círculo de leitura, na qual nos reuníamos e líamos um capítulo do livro e conversávamos sobre o tema. Logo evoluímos para o Clube. O fato é que as pessoas gostam de ler, mas compartilhar a leitura dá muito mais prazer, muito mais alegria e nos traz uma gama de conhecimento muito mais diversificada. Uma ideia compartilhada sempre vira algo maior, sempre se amplia. E, é essa a função de um encontro focado na leitura. A ideia do Clube de Leitura da Casa da Fraternidade não é se fechar sobre um único tema, mas abranger os diversos gêneros literários de forma a despertar o gosto pelo ler, pelo conhecer e compartilhar. Participe do evento! Livro de Abril : Morte no Nilo”, de Agatha Christie   Sobre o livro: Publicado originalmente em 1937, “Morte no Nilo” é uma das fantásticas obras escritas por

Meus dias na livraria Morisaki

Cheguei à livraria Morisaki meio que por acaso. Ela estava bem escondida em um cantinho das “ruas” que percorro ao longo de minhas imersões literárias. Era uma “livraria pequena em tamanho”, apenas 176 páginas, mas enorme em conteúdo. A paixão foi à primeira vista. Sentei-me na poltrona com uma xícara de café, já que não estava propriamente em Tóquio, e ir a uma Kissaten era algo bem improvável. Takako-chan se apresentou como uma jovem de 25 anos que mais parecia uma adolescente chorona. Pensei que não iria gostar dela, mas acabei me encantando, por que é sempre prazeroso ver o desenvolvimento pessoal de seres humanos que buscam conhecer a si mesmo. A história é simples, Takako leva um fora do namorado, que muito sem noção tinha outra. Pede demissão do emprego e começa a viver em um turbilhão de negação do mundo exterior, até que seu tio Satoru-san, dono de um sebo no bairro de Jimbôchô a convida para morar em cima da livraria Morisaki. Só para situar o lugar, Jumbôchô é um ba
 

Sonhando a Palestina

Em tempos de polarização de opiniões e de intolerância é importante dizer que este livro é extremamente tendencioso em sua condução da história que se passa em meio ao conflito no Oriente Médio. Nem por isso, deixa de ser uma literatura interessante de ser lida e analisada. A autora Randa Ghazy, filha de egípcios e cidadã italiana, tinha apenas 15 anos quando escreveu esta história, e é espantoso o nível emocional e a profundidade que ela colocou em sua trama. Há uma mescla interessante entre prosa e a poesia empregada pela Randa, que nos momentos de contar a trama usa de uma prosa enxuta, que você percebe nitidamente influenciada pelas notícias na mídia. É uma visão de quem olha de fora, de um pais distante e não vive o conflito. Já nos momentos em que ela precisa passar emoções e sentimentos internos, usa da poesia como recurso. O texto, neste sentido, não está lá para que você compreenda, mas para que você sinta. A trama de Sonhando a Palestina tem como pano de fundo a Inti

O DNA na Escrita

Todos nós nascemos com propósitos em nossas vidas, mas é na família que estas ideias se aprofundam e nos influenciam. No meu caso, meu pai foi o grande influenciador da escrita e a mamãe ensinou a arte das relações humanas e da diplomacia. Meu pai era um vendedor de autopeças, dos bons, daqueles que tinham uma boa conversa, que entendia do que estava falando e também tinha muitos assuntos para “jogar fora” com seus clientes. Era uma pessoa com pouco estudo. Lembro-me dele contando da rigidez dos padres do Colégio Coração de Jesus e a forma como os padres tratavam os alunos naquela época. Meu pai chegou a ser agredido na cabeça com um sino apenas porque tinha pintado o mapa do Brasil de roxo. Outros tempos. Mesmo com pouco estudo ele era uma sumidade. Sabia   muito sobre muitas coisas. Dos continentes e países, do céu, dos planetas, dos jogadores de futebol. Tinha uma paixão pelo povo judeu – que o levava a buscar muitas informações sobre o assunto, ou garimpar livrarias sobre o tem

Seguidores