É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

11 de fev de 2012

As receitas amorosas de uma feiticeira

A edição em francês do livro “As receitas amorosas de uma feiticeira”, de Brigitte Bulard-Cordeau, traz também como titulo: “grimório mágico”.
Grimório é uma espécie de diário mágico, o local onde uma bruxa, ou bruxo, anota detalhes sobre feitiços, mapas astrológicos, lista de anjos e demônios, forma de misturar remédios e venenos, fabricação de talismãs, etc. A palavra vem do francês antigo gramaire que tem a mesma raiz que a palavra gramática.
Não conhecia a autora, não vi absolutamente nada sobre este livro alias, pesquisando na internet sobre o assunto descobri que pouquíssimas matérias foram escritas sobre ele. O fato é que a belíssima e encantadora capa me chamou a atenção outro dia na livraria e o conteúdo é realmente fascinante.
O livro é uma espécie de fantasia gastronômica que mistura as tradições encontradas em grimórios considerados de bruxas com a simplicidade da gastronomia européia. São 100 receitas que vão de ervas até bebida e poções mescladas a textos históricos sobre as tradições de certas plantas como a hortelã, a rosa, a capuchinha, ou dicas, como a que alerta para não servir nunca torradas com pimenta antes do jantar por que irá tirar a fome de seus convidados.
É uma delícia passear pelas bem ilustradas páginas e fazer uma viagem gastronômica em um mundo mágico, no qual se acreditava que alimentos, licores e infusões tinham poder. Será que não possuem ainda? Prometo que vou testar.
No Brasil o livro foi lançado pela Editora Senac em conjunto com a Editora Boccato em um edição de tirar o fôlego que não fica atrás da francesa. A única ressalva é que o livro foi impresso na China e a capa da minha edição soltou-se no terceiro dia que estava comigo. Além disso, nas páginas internas no tópico “Compras e Colheita” e “De Olho no relógio” a tipologia usada é pequena demais o que dificulta a leitura já que o fundo de página é todo trabalhado. Talvez fosse o caso do Senac, em uma próxima edição, aumentar pelo menos um ponto no corpo de letra.
Ainda não tive tempo de testar as receitas, confesso que algumas são um enigma, já que alguns ingredientes como “Alho-de-urso” não são conhecidos aqui. Mas uma boa parte delas é viável, principalmente se você conhecer um bom supermercado que venda estas iguarias como lavanda comestível, flores de capuchinha, pétalas de rosa comestíveis. Aqui em São Paulo, o Santa Luzia na Alameda Lorena  é uma boa opção para encontrar ingredientes para estes pequenos e deliciosos feitiços.
Depois, toda cozinheira, culinarista e chef sabe que a gastronomia é mágica, é só lembrar do sabor de um prato que você mais gosta, ou ler este trecho de Paris é uma Festa, de Ernest Hemingway:
“Quando provei as ostras, com seu sabor forte de mar e seu sutil aroma metálico, que o vinho branco frio tratou de afastar, deixando somente o gosto de mar e a suculenta textura, e ao beber o líquido frio de cada concha que lavava com o fresco sabor do vinho, perdi aquele sentimento de vazio, passei a sentir-me feliz e comecei a fazer planos”
Pura magia, você não acha?

Fotos: (1) Capa do livro
(2) Grimórioo Antigo

2 comentários:

Luis Netto disse...

Talento é isso. Escreve bem e agora pode fazer da gastronomia uma ponte para suas realizações. Como você gosta do estilo literario de bruxas e magia, dá pra bolar um menu de pratos exoticos, registrar e escrever um livro a respeito. As vezes os caminhos aparecem em nossa vida e não prestamos atenção a ele. Já assistiu o filme "Julia & Julie"?

Roberta disse...

Gostei! Quero um já!