É proibido a reprodução das resenhas ou qualquer outro texto do blog sem a prévia autorização por e-mail do autor, e sem os devidos créditos.

15 de abr de 2014

Notícias de um mundo literário chamado Londres

Estou de volta, e desta vez com uma fome voraz de livros. Como vocês sabem passei um mês inteiro em Londres, e isso significou, por um lado quase 30 dias sem publicações no blog e por outro, muitas visitas a livrarias, bibliotecas e lugares especiais conectados a tramas de livros que li e amei. Então, ao longo dos próximos meses eu vou contar em posts separados um pouco de cada uma dessas experiências emocionantes.
Tem tantos assuntos a serem comentados e quase todos eles estão ligados à literatura. Passear pelas margens do rio Tamisa é um mergulho na história. Não só porque naquele lugar ocorreram grandes fatos da história da humanidade, mas por que o Tamisa em si exala os “aromas” do passado e de boas tramas criadas por autores desde antes de Shakespeare.
Passear por Londres é como caminhar pelas páginas de um livro cuja história você não deseja parar de ler. Cada recanto, muitas vezes escondido, é motivo para que a imaginação e a memória comecem a trabalhar de uma forma espantosa. Você passa a viver lá, tudo o que já viu em livros e quase pode enxergar aquelas mulheres vestidas com trajes longos e vultosos, cavalheiros de cartola, bruxas, vampiros e outros seres sobrenaturais que povoam nosso imaginário.
A vegetação é outra atração à parte, e quando você a observa consegue perceber por que autores como J.R.R. Tolkien, Lewis Carol, dentre outros descreveram um mundo de fantasia tão fascinante. Mas isto é um assunto para outro post.
É claro que eu fui a Oxford e não me decepcionei. A cidade é mágica, antiga, um livro em três dimensões. De lá eu trarei dois posts especiais. Um deles é minha visita a Bodlein Library datada de mais ou menos 1320. E a outra, também muito especial, foi à visita a todos os lugares citados na trama da autora norte-americana Deborah Harkness e como foi a experiência de andar exatamente pelos lugares em que a história aconteceu.
Também fui ao museu do Sherlock Holmes em Londres, ao Centro Jane Austen em Bath, ao The Globe de Shakespeare e como não poderia deixar de ser fiz umas comprinhas “livristicas” em Londres e Oxford. Então, para primeiro post vou mostrar os livros que adquiri por lá – só não trouxe mais por que pagaria excesso de bagagem na mala.
O primeiro livro que comprei foi The Golem and the Djinni, da autora Helene Wercker. Eu já fiz o post deste livro aqui no blog e estou na torcida para que alguma editora o traduza rapidamente.
Outro livro – e este tenho certeza que não será traduzido. – é o “The Time Traveller’s Guide to Medieval England”, de Ian Mortimer.  Traduzindo seria algo como um guia para um viajante do tempo que foi para a Inglaterra Medieval. E, o pouco que vi dele já me avisa que o livro é fascinante, por que conta de uma forma romanceada como era a Inglaterra Medieval e o que você deveria fazer caso conseguisse voltar no tempo e visitasse o lugar.
Outro livro interessante é “A Short History of England, de Simon Jenkins”, também escrito de uma forma leve e trazendo toda a história da Inglaterra em um único volume. É um livro para curiosos.
A outra aquisição é mais para fãs. Comprei em Kings Cross, na loja Plataforma 9 ¾ o livro da J.K.Rowling “Fantastic Beasts & Where to Find Them”. Há tradução deste livro para português, mas neste caso confesso, comprei pelo prazer de ter o livro vindo diretamente de lá.
O outro livro é parte de um futuro post. Já li em português, mas fiz questão de comprar a edição em inglês para reler. E, só para ter um pouquinho mais de significado, comprei o livro em Oxford, na Blackwell... para quem leu A Descoberta das Bruxas sabe exatamente o que isso significa.
É claro que comprei outras coisas, mas são livros de inglês que custam menos da metade do preço se fossem comprados aqui no Brasil. Alias, o preço é um fator a parte.
Livros não pagam um imposto chamado VAT, que vem discriminado em quase tudo o que você compra na Inglaterra. Além disso, 90% dos livros são feitos em formato pocket com o miolo em papel parecido com jornal, mas de qualidade superior. Não há luxo nas capas, nem no papel utilizado, e todos eles apresentam já impresso no verso o preço de venda que varia entre 7 e 9 libras. Há livros de capa dura também, geralmente em lançamento, mas não custam tão caro, pois em média saem por 12 a 15 libras - O preço médio de um livro aqui impresso em capa comum. Ah! E outro fato que eu adorei. Os autores têm o hábito de deixar livros autografados para vender nas livrarias. Dependendo do autor você consegue comprar uma edição pelo preço normal e leva para casa um autógrafo. Bem que as editoras aqui poderiam fazer isso com os lançamentos.
Bom, por enquanto é isso. Vou intercalar a publicação dos posts sobre Londres com os livros que estão aqui na fila para serem lidos – todos eles parecem incríveis.
Aguardem o próximo post.
Abraços

3 comentários:

Roberta disse...

Muito bacana! Me interessei pelos livros.
Valeu a dica!!

bjs

Camila disse...

Adorei o post e estou animada para ver o que mais você comprou!!! hehehe
Beijos
Camis

Soraya Felix disse...

Camila, Londres foi uma festa. A cidade já é um livro aberto. Em breve mais um post sobre o que vi por lá. bjs