Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2014

Amber House

Autor: Kelly Moore, Tucker Reed, Larkin Reed Tradutor: Martha Argel Editora: Jangada Ano de Lançamento: 2013 Número de páginas: 350 Avaliação do Prosa Mágica: 8 “Eu tinha quase 16 anos da primeira vez que minha avó morreu.” Assim começa o livro. De forma quase misteriosa, inusitada e a primeira vista nos força a ler diversas vezes a mesma frase para ter a certeza que estamos lendo certo, ou o revisor desavisadamente errou justamente na primeira frase do livro. Então, depois de analisar quase com uma lupa você descobre que é isso mesmo. E a pergunta que vem a seguir só será respondida na última página do último capítulo. “Segura coração!” Amber House foi um presente, que eu escolhi sem muita pretensão. Li a sinopse no site da editora Jangada e achei que talvez fosse interessante. E, acabei sendo surpreendida. Não espere de Amber House um livro água com açúcar, com uma típica história adolescente, por que ele não satisfaz este tipo de gosto. Amber House é

Cidade da Meia Noite

Autor:  J.Barton Mitchell Tradução: Flávia Cortês Editora:   Jangada Ano de Lançamento no Brasil:  2014 Ano de Lançamento do Livro: 2012 Número de páginas:  445 Avaliação Prosa Mágica:  8 Cidade da Meia Noite é um livro inusitado e de certa forma inovador. Foi o acaso que o colocou em minhas mãos e agradeço a esta força que me levou ao seu encontro. Confesso não ter gostado dos dois primeiros capítulos: - excessos descritivos, parágrafos curtos demais, elementos que se fossem cortados não fariam diferença alguma na trama. No entanto, de repente, J.Barton Mitchell se torna um gigante, como se houvesse finalmente encontrados os trilhos de sua criação. Então, você descobre que é absolutamente impossível parar de ler o livro. Cidade da Meia Noite é uma encruzilhada de gêneros. É ficção científica, sem dúvida, mas também é realismo fantástico com toques de distopia. Além disso, você tem a sensação inicial de ler um livro para adolescentes com uma temática adul

Gabriel Garcia Marques

“Um escritor nunca morre. Ele vive e viverá para sempre em cada letra, cada palavra, cada frase e ponto  da vida que ele trama com suas mãos e talento. Se quiser encontrá-lo é só procurar por entre os milhões de estantes espalhadas pelo mundo. Gabriel Garcia Marques não morreu, ele apenas se escondeu em seus livros. Abra um deles e o encontrará vibrante, talentoso e ostentando o sorriso que o ilumina nesta foto.” Minha humilde homenagem a este gênio da Literatura Universal.

Notícias de um mundo literário chamado Londres

Estou de volta, e desta vez com uma fome voraz de livros. Como vocês sabem passei um mês inteiro em Londres, e isso significou, por um lado quase 30 dias sem publicações no blog e por outro, muitas visitas a livrarias, bibliotecas e lugares especiais conectados a tramas de livros que li e amei. Então, ao longo dos próximos meses eu vou contar em posts separados um pouco de cada uma dessas experiências emocionantes. Tem tantos assuntos a serem comentados e quase todos eles estão ligados à literatura. Passear pelas margens do rio Tamisa é um mergulho na história. Não só porque naquele lugar ocorreram grandes fatos da história da humanidade, mas por que o Tamisa em si exala os “aromas” do passado e de boas tramas criadas por autores desde antes de Shakespeare. Passear por Londres é como caminhar pelas páginas de um livro cuja história você não deseja parar de ler. Cada recanto, muitas vezes escondido, é motivo para que a imaginação e a memória comecem a trabalhar de uma forma esp