Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2008
Os diversos Caboclos de nossas vidas. Acabo de ler no blog do grande Gabriel Perissé ( http://perisse.blog.uol.com.br/ ) sobre a perda de óculos (não óculo, porque possuímos dois olhos) e da identidade (numérica) e imediatamente lembrei-me do Fernando Sabino. Em um texto simplesmente sensacional, ele fala das perdas de objetos cotidianas, como entidades, aos quais devemos respeitar. Quando um objeto se perde, você deve procurá-lo o suficiente para deixar o Caboclo escondedor feliz. Faz parte do jogo deste caboclo, principalmente objetos como chaves de carro, documentos, óculos e coisas pequenas, que sem mais nem menos ele devolve, embaixo do sofá, dentro da gaveta. Geralmente lugares que você já procurou. Faz parte da brincadeira. Mas, acima de todas estas entidades ele fala do Buraco Negro, o chefão de todas. Se ela tomar um objeto para si, nunca mais o veremos. Não adianta procurar. Fico pensando em todas as coisas que não são materiais que desapareceram de minha vida e imagino o

Eu gosto de Escrever

Eu gosto de escrever. No texto podemos colocar mais pontos e vírgulas, que o leitor, se interessado vai até o fim. É bem diferente do diálogo. Na maioria das vezes quem ouve não deixa que a explicação chegue ao fim para emitir uma opinião. Geralmente na segunda frase as criticas chovem e o que era algo absolutamente positivo, passa a ser pivô de mal-entendidos. No texto o leitor viaja, sorri, ri, gargalha, ou se contorce em lágrimas, sem nenhum constrangimento. É normal. Eu gosto de escrever porque o texto é eterno. Depois de um tempo de existência, você retorna a ele e se depara com um ser estranho. É muito boa a sensação de “fui eu que escrevi isso?”. Ou então, quando releio algo e digo, “nossa, hoje eu faria completamente diferente”. Texto é texto e não importa o gênero: e-mail, carta, crônica, poesia, conto, romance, teatro, tese, roteiro, sei lá, as inúmeras formas sempre nos trazem algum sensação, seja ela de alegria, repulsa, tristeza. É muito bom para a “saúde” a leitura de uma