Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2010

Velhos livros

Às vezes, em meio a tantos lançamentos caia em nossas mãos um livro velho, não pela aparência, mas pelo tempo que foi escrito. Nem sempre isto é um bom sinal, nas minhas, por exemplo, já vi muita coisa ruim, datada, fraca, impossível de ler em pleno século XXI. No entanto há outros que são o oposto. Eu considero livros nesta categoria, aqueles que nunca são comprados, mas sim emprestados por um amigo, um primo ou desconhecido, ou aqueles que por um infortúnio qualquer, nenhuma editora publica mais e a única alternativa e garimpar sebos na cidade. Nem sempre a sorte é nossa companheira neste caso. Acabei de ler “A Herdeira”, de Sidney Sheldon. A principio fiquei meio receosa. Sidney Sheldon, a meu ver, sempre foi um autor de “folhetins”, romances fáceis, com fins previsíveis feitos para vender milhões de exemplares para quem procura leitura sem muito conteúdo. Enganei-me. A Herdeira é uma história muito bem construída em torno de um império da Indústria Farmacêutica, com diversos person

O que é a vida??

O anúncio feito pela Nasa, em 2 de dezembro, traz um novo conceito sobre o que é a vida. Até então, o conceito de vida limitava-se a uma composição restrita de seis elementos químicos – oxigênio, nitrogênio, hidrogênio, enxofre, fósforo e carbono – uma quantidade muito pequena se levar em consideração uma Tabela Periódica que contem, se não me engano, 118 elementos divididos em dez categorias. A bactéria encontrada no lago Mono, Califórnia, é o primeiro “ser” com estrutura de vida diferente encontrada pelo ser humano. Mas, o que ele tem de diferente? Ainda não se sabe por que, mas esta bactéria consegue processar o arsênio (número 33 ma Tabela Periódica – um semi metal), uma substância letal para todas as formas de vida conhecida até hoje. Uma parte da estrutura de seu DNA possui o arsênio, ao invés do fósforo. Até hoje não se tinha notícia de algo parecido com isso. Além da descoberta feita pela comunicativa cientista Felisa Wolfe-Simon da Nasa, ser um marco científico para a astrobio