Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2016

Quem quer se perder em um labirinto?

Foto do site scritto.io Você já viu um labirinto? Já se perdeu dentro de um deles? Qual foi o seu sentimento? Você teria coragem de entrar em um novamente? Creio que a figura do labirinto é tão antiga quanto podemos rastrear a humanidade. Há mitos, lendas e jardins imensos que os contem, feitos de todas as formas, sendo a mais bela rodeada por arbustos. Na literatura existem muitos, mas eu gosto muito de lembrar  do labirinto em Harry Potter e o Cálice de Fogo, que é sinistro, e do livro Labirinto, da autora Kate Mosse que nos faz se perder e se achar em sua escrita sinuosa e cheia de truques. Mesmo que não haja um labirinto no livro, a própria trama nos enreda neste emaranhado de estórias que se interligam, que nos levam a caminhos errados, a lugares iluminados até que possamos, munidos de todo o conhecimento adquirido durante a jornada chegarmos finalmente ao destino e recebermos o nosso prêmio. Então, não há medo na caminhada do labirinto, pois percorremos todos os di

Contando um conto

Imagem Google - autor desconhecido. O nome deste post parece bem estranho. Olhando uns arquivos antigos encontrei este rascunho de conto que escrevi para participar de um concurso. É claro que eu nunca enviei o texto. Quem conta um conto tem que ter a veia de um grande romancista e a concisão de um jornalista. Confesso que não tenho concisão suficiente para isso, e todas as minhas tentativas de conto acabavam virando primeiro capítulo de um romance, que ficava esquecido nas pastinhas do meu computador. Se não me engano, O Supressor de Almas surgiu em um momento onde a febre era falar de anjos decaídos e eu tentei escrever algo no gênero. O Supressor de Almas não é um conto acabado, mas a tentativa de fazer um deles que virou a ideia de um romance e que talvez nunca saia do papel, por isso resolvi compartilhar com vocês. A estória trata de nossas pequenas carências que muitas vezes podem nos colocar nas piores situações possíveis. Espero que você goste e divida comigo sua opini

O Segredo das Coisas Perdidas

Autor:   Sheridan Hay Tradutor: Paulo Andrade Lemos Editora:   Nova Fronteira Número de páginas: 320 Ano de Lançamento: 2008 Avaliação do Prosa Mágica:   10 O Segredo das Coisas Perdidas, da autora australiana Sheridan Hay, é um daqueles livros que você não espera ler até que eles surgem na sua frente e invadem sua alma. Rosemary Savage, protagonista da trama, é uma metáfora de nossas mentes e vida, e simboliza o processo de amadurecimento que invariavelmente todo ser humano enfrenta. Jovem, aos dezoito anos ela perde a mãe que tanto amava e impulsionada pela amiga de sua mãe, é enviada a Nova York para ampliar seus horizontes, que são estreitos e ingênuos como o lugar onde vive – Tasmânia. Já em Nova York, com apenas 300 dólares no bolso, Rosemary vai trabalhar na Árcade, uma livraria de exemplares de segunda mão, uma espécie de país imaginário onde desfilam os mais estranhos e ao mesmo tempo comuns personagens. George Pike, o dono mal humorado; Walter Geis

Por que o passado não é melhor que o presente?

Boas leituras nos causam impressões fortes, muitas vezes o sentimento que fica se resume na frase “eu queria viver naquele tempo”. O que a primeira vista parece interessante, principalmente se você acabou de ler Orgulho e Preconceito de Jane Austen. Estar no passado, cercada de gente bem vestida e educada, com a possibilidade de encontrar um Mr Darcy e viver em Pemberley, aquele casarão cercado de lagos e parques parece ser uma visão do paraíso, mas não se engane, o final do século XVIII e o inicio do XIX não foi a beleza que os livros pintam. Revolução Industrial, miséria, fome, falta de um sistema educacional concreto, segregação da mulher na educação, seu uso como mercadoria de troca no momento do casamento, e outras mazelas assolaram o mundo tão sonhado por muitos leitores. Uma jovem sem dote de valor não se casaria nunca com um nobre, mesmo que o amor suplantasse tudo. Ela seria renegada por ele em prol de bens “maiores”, ou o nobre perderia sua fortuna por não manter as

O Escaravelho do Diabo

Autor:   Lúcia Machado de Almeida Editora:   Ática Número de páginas: 128 Avaliação do Prosa Mágica:   8+ Já aviso que não vi o filme, e por tudo que li não parece ser a mesma trama do livro. O Escaravelho do Diabo foi um grande sucesso entre os jovens na década de 90, enquadrando-se como literatura juvenil. Os personagens não são crianças, mas um estudante de medicina, um grupo de pessoas de meia idade que vivem em uma pensão, e um policial com ares de detetive americano. A trama se passa na cidade de Vista Alegre, e o mistério que envolve a morte de pessoas ruivas, dentre elas o irmão de Alberto, um estudante de medicina. Na estória, todos os assassinatos ocorrem após as pessoas receberem um escaravelho cujo nome é determinante na forma como elas morrerão. O suspense é levado até o último minuto e você só descobre o motivo das mortes no final do livro. Ao contrário do que muita gente diz a trama de Lúcia Machado de Almeida não está velha e ultrapassada, mas se enga

Would you like a cup of tea?

Devonshire tea. Algumas tradições estão tão arraigadas em um povo, que raramente o hábito escapa das páginas de um bom livro de ficção. Não seria diferente com o “Five o’clock tea”, o famoso chá das cinco que é venerado pelos britânicos. No entanto, a ironia para esta tradição é grande. Quem introduziu o hábito foi a portuguesa Catarina de Bragança, que ao se casar com Charles II levou o costume para a Inglaterra. Mas foi uma “glutona” que espalhou o hábito, a sempre faminta Anna Maria Russell, duquesa de Bedford, que precisava se alimentar de algo entre o almoço e o jantar. Hoje em dia, o Chá das Cinco é tão habitual, que você pode encontrá-lo em qualquer lugar da Grã-Bretanha, e degustar sempre os melhores blends. Quando estive em Londres pude ter uma xícara de chá em todos os lugares que estive. No Reggent Park ela veio com uma pequena e delicada leiteira de porcelana repleta de um delicado e saboroso leite. No National Galery, o chá veio acompanhado de scones com creme