Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2013

Literatura como caminho

A jornalista Roberta Sztanderski reserva um lugar muito especial em sua vida. Livros, para ela, não são objetos de consumo imediato, que precisam ser devorados como fast foods. Na visão de Roberta, livros são como iguarias que você degusta aos poucos, que vai sentindo o prazer da palavra a cada frase, o encanto do enredo a cada capítulo. Não compulsividade, mas cumplicidade. Isso é uma raridade em tempos que ler compulsivamente é quase uma obrigação. Roberta é formada em jornalismo pela FIAM e pós-graduada em Organização do Terceiro Setor. Trabalha como Assessora de Imprensa e lida com a gastronomia com a mesma destreza que trabalha as palavras em seu oficio diário. Entrevistá-la foi um prazer, pois Roberta através de suas respostas nos apresenta um delicioso mundo sem rótulos e sem preconceitos, o que torna a trajetória literária muito mais gostosa.   SF. Como é sua relação com a literatura? RS. Tenho a literatura como uma companheira.   Como não tenho ca

Desvendando o mundo do Ghost writer

Não adianta tentar “caçar” um ghost writer, eles nunca se mostrarão nem a luz do dia, nem da noite. Mas eles podem estar escondidos na biografia maravilhosa que você acabou de ler, naquele famoso best seller de auto ajuda que está na mídia há meses ou quem sabe naquele livro técnico que você comprou para compreender um assunto de sua área profissional. Você não sabe e nem nunca saberá. Nanete Neves é um destes seres, que povoam as prateleiras das livrarias com seu talento, técnica, paciência e por que não dizer, desprendimento. Formada em jornalismo e pós-graduada em Formação de Escritores e Criação Literária, Nanete já publicou quase 20 livros de não ficção para editoras como Campus Elsevier, Larousse, Planeta e Saraiva, todos como ghost writer. Mas ela também assina seus próprios livros como o Lavoura Dourada , um livro-reportagem que fala sobre a saga dos produtores de tabaco do Sul do Brasil dentre muitos outros. Conheça um pouco da profissão de Nanete e da apa

Portas abertas para a literatura brasileira

Ricardo Almeida -Diretor Presidente. Há dez anos um site como este seria algo inimaginável, um sonho para centenas de autores independentes que batalhavam diuturnamente para ver suas obras publicadas por alguma editora “tradicional”. No entanto hoje, com a tecnologia e a criatividade de dois visionários, Índio Brasileiro e Ricardo Almeida, 20 mil autores puderam disponibilizar suas obras para o público sem nenhum custo, com a qualidade muitas vezes superior de impressão a que encontramos nas livrarias. O Clube de Autores conta com apenas sete funcionários e uma média de preço de venda de oito reais para ebook e vinte e cinco para impressos (120 páginas), os livros, hoje 21 mil títulos, podem ser comprados em todo o território nacional, e no exterior (apenas em ebook). O currículo dos criadores do Clube de Autores é de dar inveja. Resumidamente, Índio Brasileiro é especialista no mercado de Internet. Foi responsável pela StarMedia e fundação da UOL e hoje trabalha d

O ser e seus significados

Foi assim que Fernando Adas definiu seu perfil de leitor, o livro como um amigo que você chama para conversar ao final de um dia inteiro de trabalho. Não poderia ser diferente. Fernando Adas é um ser humano especial, refinado, cosmopolita e antenado com o mundo que o cerca. Formado em Marketing e Propaganda pela ESPM, atua Consultor de CRM da Fine Marketing . Já gerenciou projetos para empresas de porte, mantém um blog bem humorado e criativo sobre marketing e apresenta um programa sobre o mesmo tema na internet. Em resumo: Fernando faz de suas 24 horas no mínimo 48. Foi um prazer entrevistá-lo já que Fernando além de ser um amigo de longa data, é um homem com diversos significados, com um campo repertorial enorme e impossível de ser contido em uma única entrevista. Vocês vão se apaixonar.     SF. Como é sua relação com a literatura? FA. Em síntese, é uma relação tranquila   porém intensa, pautada por encontros diários de curta duração mas com boas

Um Desafio Desafiante para 2013

O mundo dos blogs literários tem o seu charme e suas surpresas. O blog Silêncio que eu estou lendo , lança todos os anos um Desafio Desafiante . Eu sempre pego o desafio depois do meio do ano, mas 2013 já começou diferente. A ideia é que este ano você leia somente livros que comprou ou ganhou até 2012. Sabe aquela pilha de livros guardada e que ainda não foi lida. Pois bem, chegou a hora. Achei interessante a brincadeira por que estimula a leitura do que você já tem em sua casa, minimizando um pouco a vontade consumista que todo leitor compulsivo possui de comprar, comprar e comprar. Para cumprir o desafio você precisa realizar 12 das tarefas propostas. Vá postando aqui e no blog dodesafio suas experiências com os “livros esquecidos”. Então, mãos a obra e boa sorte: 1. Ler um livro que você ganhou, não gostou muito e ficou na prateleira. 2. Ligar para um amigo, ou mandar uma mensagem no face, e pedir uma indicação de livro! Se você não tiver o livro,