Pular para o conteúdo principal

Velhos livros

Às vezes, em meio a tantos lançamentos caia em nossas mãos um livro velho, não pela aparência, mas pelo tempo que foi escrito. Nem sempre isto é um bom sinal, nas minhas, por exemplo, já vi muita coisa ruim, datada, fraca, impossível de ler em pleno século XXI. No entanto há outros que são o oposto.
Eu considero livros nesta categoria, aqueles que nunca são comprados, mas sim emprestados por um amigo, um primo ou desconhecido, ou aqueles que por um infortúnio qualquer, nenhuma editora publica mais e a única alternativa e garimpar sebos na cidade. Nem sempre a sorte é nossa companheira neste caso.
Acabei de ler “A Herdeira”, de Sidney Sheldon. A principio fiquei meio receosa. Sidney Sheldon, a meu ver, sempre foi um autor de “folhetins”, romances fáceis, com fins previsíveis feitos para vender milhões de exemplares para quem procura leitura sem muito conteúdo. Enganei-me.
A Herdeira é uma história muito bem construída em torno de um império da Indústria Farmacêutica, com diversos personagens interessantes e marcantes. É claro que é preciso resistir aos primeiros capítulos, maçantes, extremamente detalhistas, mas de primordial importância para o desfecho da história.
O prato principal vem aproximadamente 100 páginas depois, uma história envolvente, bem escrita que leva o leitor a acreditar em um vilão quando há poucos parágrafos do final descobrimos que o vilão é o mocinho. Uma virada de dar um nó na cabeça.
Um leitor mais atento, no entanto, perceberá nos primeiros capítulos (que eu chamei de maçantes) todas as dicas para desvendar o mistério. Mas é claro que ninguém prestou atenção nestes meros detalhes.
A história é uma trama de novela muito bem desenhada, que foi transformada em filme dirigido por Terence Young, em 1979. O versão cinematográfica foi estrelada por Audrey Hepburn no papel da herdeira Elizabeth Roffe, e Ben Gazzarra como Rhys Willians.
Vale a leitura

Comentários

  1. Olá, como vai? Gostei do seu comentário sobre o livro A Herdeira. Recordo ter lido quase todos os titulos publicados por Sidney Sheldon e eles tem sempre a mesma cara. Sempre fica algo para ser descoberto nas últimas páginas e por ter este talento é que ele se tornou um dos escritores mais vendidos em todo o mundo. Gosto muito da literatura de livros "velhos", onde você encontra verdadeiras historias deliciosas como a que você comentou. Se puder, leia Arthur Hailey, você vai gostar também. Parabéns.
    Luis Antonio

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores