Pular para o conteúdo principal

Setembro


Autor:  Rosamund Pilcher
Tradução: Angela Nascimento Machado
Editora: Bertrand Brasil
Número de páginas: 462
Ano de Lançamento: 1990
Avaliação do Prosa Mágica:  10
                       

É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo.
Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance.
Com destreza e delicadeza, a autora  nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a  renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam.
Pandora, por exemplo, é o mistério da trama. É a personagem que voltou depois de uma longa jornada distante e traz alguma ordem, no sentido de “arrumar” certas cicatrizes do passado. Mas Pandora é, com perdão da má metáfora, uma caixa cuja tampa retirada desnuda os males que estavam ocultos. Ela traz algo de irreal à história, e ao final comete um ato, de forma mágica, como uma personagem de conto de fadas para adultos.
É incrível a capacidade da autora de lidar com múltiplos personagens, e tirar deles, de seus passados, fatos que justificam o presente.
Fiquei encantada, pois muitos dos personagens ainda estão bem vivos, mesmo após fechar o livro e dar a história por encerrada.
Grande leitura, gostei demais.

Culinária na trama
Referência final do texto.
No piquenique, já quase no final do livro, é citado um pão como típico da Escócia. Pesquisei uma receita, fiz o pão e realmente é uma delícia. Então, vou postar a receita aqui.


Ingredientes
1 pacote de fermento biológico (7g)
1 colher de chá de açúcar
½ xícara de leite morno
½ xícara de água morna
2 ¼ xícara de farinha de trigo
1 colher de chá de sal
40 g de manteiga (não deve ser substituída)

Modo de fazer
Misture o fermento, o açúcar, a água e o leite até dissolver o fermento e deixe descansar por 5 a 10 minutos. (Cuidado com a temperatura da água e o leite – não ferver)
Em outra vasilha peneire a farinha e o sal, coloque a manteiga e junte com os dedos fazendo uma espécie de farofa. Vá aos poucos acrescentando o fermento que foi diluído.
Coloque em uma superfície enfarinhada e amasse por 5 a 8 minutos.
Coloque em uma vasilha untada com farinha, cubra com pano e deixe descansar por 1 hora ou até dobrar de volume.
Sovar novamente até ficar bem lisa.
Divida em 6 partes iguais. Sovar em formado de bola.
Coloque em forma untada, polvilhe farinha cubra com um pano e deixe crescer por 10 minutos.
Fala um furo no meio (opcional) e asse por 15 minutos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Prosa de Quarentena

Li muito este ano, muito mais que li no ano passado inteiro, mas venho sofrendo de inconstância literária, o que significa que muitas vezes leio 500 páginas em 2 dias e outras, levo dois meses para ler 100. Neste exato momento estou na segunda alternativa, o que significa que a leitura de O Silmarillion segue devagar. Confesso que deixei de lado a paranoia de me obrigar a ler um monte de livros por causa do blog. Leitura é puro prazer, é amor ao texto, é observar as entrelinhas, e se deliciar com as formas como o autor mistura e brinca com as palavras, e isso não pode ser feito em um ritmo frenético. Posto esta explicação necessária, seguimos com o tema de hoje. A pandemia provocada pelo coronavírus no mundo e no Brasil. Entrei de quarentena (Isolamento Social) no dia 23 de março, junto com a minha amada cidade São Paulo. Até o dia 14 de abril trabalhei como uma condenada na preparação de aulas para os meus alunos – fato que não reclamo, pois confesso ter gostado muito desta