Pular para o conteúdo principal

Eu gosto de Escrever

Eu gosto de escrever. No texto podemos colocar mais pontos e vírgulas, que o leitor, se interessado vai até o fim. É bem diferente do diálogo. Na maioria das vezes quem ouve não deixa que a explicação chegue ao fim para emitir uma opinião. Geralmente na segunda frase as criticas chovem e o que era algo absolutamente positivo, passa a ser pivô de mal-entendidos.
No texto o leitor viaja, sorri, ri, gargalha, ou se contorce em lágrimas, sem nenhum constrangimento. É normal.
Eu gosto de escrever porque o texto é eterno. Depois de um tempo de existência, você retorna a ele e se depara com um ser estranho. É muito boa a sensação de “fui eu que escrevi isso?”. Ou então, quando releio algo e digo, “nossa, hoje eu faria completamente diferente”.
Texto é texto e não importa o gênero: e-mail, carta, crônica, poesia, conto, romance, teatro, tese, roteiro, sei lá, as inúmeras formas sempre nos trazem algum sensação, seja ela de alegria, repulsa, tristeza. É muito bom para a “saúde” a leitura de uma antiga carta de amor.
Quando escrevo vejo por traz daquela folha, da tela do computador, do desenho das letras, milhares de pessoas do outro lado, lendo cada linha e depois, me jogando para o esquecimento ou para a lista da boa leitura.
É bom demais e eu gosto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores