Pular para o conteúdo principal

Guia de Leitura

Literatura & Champanhe




Introdução

Jane Cardoso passou a vida toda com medo de alguma coisa que desconhecia. Jornalista talentosa e precoce, Jane constrói um blog literário que é um sucesso na internet. Seguido por centenas de fãs, Literatura & Champanhe discute o prazer de ler, sem o compromisso da falsa intelectualidade. Só que o blog supostamente chama a atenção de um grupo de pessoas voltadas para a destruição, chamadas de SSD – Sociedade Secreta do Dragão. Este grupo altamente mortífero vem eliminando professores de literatura, escritores, blogueiros, jornalistas, qualquer pessoa que não se enquadre no que eles consideram de boa literatura.

Por outro lado, Jane é uma heroína complicada. Ela nega suas próprias capacidades, nega sua força e aparenta ser uma pessoa muito frágil, mas não é. A Trilogia Literatura & Champanhe é uma trilha de descobertas, que vão acontecendo paulatinamente, que a nossa protagonista vai mostrando a medida que os fatos envolvem sua vida no mistério, no drama, na magia e especialmente no amor.

Neste primeiro livro Jane irá se defrontar com Robert, um lindo, charmoso, inteligente fotografo que também tem sua vida modificada ao se encontrar com ela. O vai e vem que envolverá os dois fará com que os leitores não consigam se desgrudar da trama até que o último capítulo tenha se esgotado.

Guia de questões para refletir:

 

1. Jane é uma personagem que aparenta fragilidade, mas ao mesmo tempo faz coisas que pouco de nós faríamos. Por que ela age desta forma? Você agiria da mesma maneira?

2. Jane é acusada de divulgar literatura de baixa qualidade. A SSD considera os livros de ficção atuais, destinados em parte aos adolescentes, como literatura ruim, sem nada, vazia. Você vê alguma semelhança entre as atitudes da SSD e alguém que você conheça? Você já viu algum comentário em jornal, ou internet que te remeta a esta trama do livro? Como você pensa sobre este assunto?

3. Isaac faz parte de uma família que guarda uma tradição e segredos. Eles passaram séculos acreditando que um dia precisariam defender alguém que viria ao mundo fazer a diferença. Para isso possuem manuscritos antigos e mágicos. Em pleno século XXI, você acredita na possibilidade disto acontecer? Como você vê a existência de Sociedades Secretas que guardam segredos de magia? Você conhece alguém que faça parte de uma sociedade assim?

4. Victória tem um papel primordial na trama. Como você enxerga Victória? Ser aparentemente negligenciada pelos pais justifica qualquer atitude?

5. Por que o amor de Jane e Robert representa um perigo para a SSD? Você consegue achar no primeiro livro as dicas que justifiquem esta afirmação?

6. Literatura & Champanhe possui um prólogo - apresentação - um recurso herdado do teatro Grego. Como você vê o uso deste tipo de recurso? Qual é o papel do prólogo em Literatura & Champanhe?

7. Toda a história é escrita em primeira pessoa, sob a perspectiva de Jane. Mas há um capítulo escrito em terceira pessoa. Como você vê esta alternância de narração? Qual é o sentido desta alternância em Literatura & Champanhe?

8. Olhe o último capítulo. O que representa a fumaça azul que sai do papel amassado por Victória? Qual é o significado desta metáfora?

9. Toda a trama do primeiro livro é centrada no Brasil entre as cidades de São Paulo e Campos do Jordão. Em sua opinião, é importante que um livro nacional apresente locações no próprio país? Por quê?

10. O final do livro aponta um deslocamento da trama de São Paulo para Nova York. Você pode imaginar o porquê isso acontece?

Postagens mais visitadas deste blog

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Prosa de Quarentena

Li muito este ano, muito mais que li no ano passado inteiro, mas venho sofrendo de inconstância literária, o que significa que muitas vezes leio 500 páginas em 2 dias e outras, levo dois meses para ler 100. Neste exato momento estou na segunda alternativa, o que significa que a leitura de O Silmarillion segue devagar. Confesso que deixei de lado a paranoia de me obrigar a ler um monte de livros por causa do blog. Leitura é puro prazer, é amor ao texto, é observar as entrelinhas, e se deliciar com as formas como o autor mistura e brinca com as palavras, e isso não pode ser feito em um ritmo frenético. Posto esta explicação necessária, seguimos com o tema de hoje. A pandemia provocada pelo coronavírus no mundo e no Brasil. Entrei de quarentena (Isolamento Social) no dia 23 de março, junto com a minha amada cidade São Paulo. Até o dia 14 de abril trabalhei como uma condenada na preparação de aulas para os meus alunos – fato que não reclamo, pois confesso ter gostado muito desta