Pular para o conteúdo principal

Desabafo

Contrariando a Constituição do Brasil, somos todos culpados até que a lei prove o contrário!!!!

Ontem, no período da manhã na marginal Tietê, fui parada por dois policiais de trânsito. Entreguei a documentação solicitada é claro, tudo em ordem, por que como cidadã que acredita na ética, na moral, pago meus impostos corretamente, meu seguro obrigatório e na medida do possível, meu carro todo está dentro da lei. Mas, de vez em quando, você encontra alguém com vontade de multar (se fosse só isso). Os dois senhores que me abordaram implicaram com a placa traseira do meu carro. É claro que ela não esta linda, meu carro é de 1995. Já não é tão novinho!

Se o problema todo fosse esse, estaria tudo bem. Eu trocaria a placa, mandaria pintar, sei lá, o que fosse recomendado, afinal, lei é lei e com autoridade não se discute. Mas, eles apreenderam meu documento do carro e me trataram como bandido, e isso eu não posso admitir. Além disso, a aparência da abordagem é que eles queriam dinheiro e isso, meus amigos, eu não alimento. Corrupção é crime.
O carro estava em ordem, as numerações todas corretas, alias, elas estão marcadas em tantos lugares no meu carro que me admira o meu seguro não tenha colocado uma plaquinha no meu braço com o número do chassi e a placa do meu carro; os pneus em ordem, as lanternas (Se eles houvessem testado) estavam funcionando, minha ficha é completamente limpa no Detran pois não tenho uma multa há mais de dez anos (há apenas uma com o meu carro, mas quem cometeu foi o profissional do lava rápido que deixou meu carro na calçada, mas que assumiu sem pestanejar). Então, por que nos abordar como se fossemos marginais? Será que se o carro fosse do ano, reluzindo de novo eles fariam a mesma coisa? Será que se houvesse um homem no volante eles fariam a pressão que fizeram.
Amigos, eu perdi 15 minutos aguardando que estes profissionais preenchessem meia dúzia de linhas em um papelzinho amarelo (multa) e outro azul (comprovante de retenção do documento), e com medo, por que hoje em dia você não pode ter certeza que a polícia é a polícia já que está cheio de bandidos que se fazem passar por estes profissionais.
Agora eu fico pensando: está cheio de motoristas que foram pegos bêbados aos volantes, atropelaram pessoas e nada acontece, daí vem alguém e trata um cidadão honesto como bandido, e justo isso? E o pior, para quem nós podemos reclamar disso, para o Papa?
Perdoem-me o desabafo, mas estou revoltada com a atitude destes profissionais, não pela autuação, mas pelo comportamento. Gentileza, educação não faz mal a ninguém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores