Pular para o conteúdo principal

A Educação deturpada

Em consideração ao artigo do Ministro Fernando Haddad, publicado ontem na Folha de S.Paulo.

O Ministro da Educação Fernando Haddad disse que “as novas gerações hão de notar o sentido progressista em que foi reescrito o capítulo consagrado à educação em nossa lei maior”. É tudo muito bonito se houvesse um real sentido em acreditar que mudando a Constituição, nossa Carta Magna e não Lei Maior, como ele insiste em dizer em seu artigo, mudamos definitivamente a educação no país.
A obrigatoriedade do ensino dos quatro aos 17 anos não mudará nada, se professores, currículos e boa vontade não forem modificados. Seria muito bem vindo se a educação pública no país melhorasse a qualidade; se o fator funcionário público deixasse de funcionar, e os professores, assim como os trabalhadores das em empresas privadas, não pudessem tirar licença por qualquer coisa.
Já que neste país acredita-se que estando na Constituição haverá mudanças, então por que o senhor Ministro não sugeriu ensino diário de 9 horas, com professores obrigatoriamente trabalhando em regime de dedicação integral, acabando com o pagamento por hora/aula?
Se quisermos melhorar o ensino por que o Governo Federal não implanta, a exemplo do que será feito em São Paulo, uma avaliação anual dos professores com provas bem elaboradas, exigindo dos mestres que se atualizem anualmente.
Por que não se deixa que a iniciativa privada invista na educação pública, oferecendo benefícios fiscais para isto? Por que ainda se acredita que dar livro didático, lanchinho, transporte escolar é dar educação? Onde fica o conhecimento?
Outro dia conversando com uma professora ela confessou sua grande dúvida sobre a melhoria do ensino. Como vamos melhorar a educação se os responsáveis por ela não estão qualificados? Confesso que fiquei sem resposta.
Existe algo muito importante e urgente no país que precisa ser revisto, para que no futuro, não se tenha que arcar com graves conseqüências. O Brasil não se divide em pobres e ricos, negros, brancos, pardos e índios. Não. Não podemos incitar este tipo de racismo às avessas, esta linha divisória que irá gerar graves conflitos sociais no futuro.
O Brasil é e deve continuar sendo um país de diversificação racial, que vivem em paz entre elas. A questão de educação não pode passar por questões raciais ou partidárias. Educação se faz com união, integração, investimento público e privado e sobretudo com a força de vontade de ensinar. É só isso, nada mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores