Pular para o conteúdo principal

A Educação deturpada

Em consideração ao artigo do Ministro Fernando Haddad, publicado ontem na Folha de S.Paulo.

O Ministro da Educação Fernando Haddad disse que “as novas gerações hão de notar o sentido progressista em que foi reescrito o capítulo consagrado à educação em nossa lei maior”. É tudo muito bonito se houvesse um real sentido em acreditar que mudando a Constituição, nossa Carta Magna e não Lei Maior, como ele insiste em dizer em seu artigo, mudamos definitivamente a educação no país.
A obrigatoriedade do ensino dos quatro aos 17 anos não mudará nada, se professores, currículos e boa vontade não forem modificados. Seria muito bem vindo se a educação pública no país melhorasse a qualidade; se o fator funcionário público deixasse de funcionar, e os professores, assim como os trabalhadores das em empresas privadas, não pudessem tirar licença por qualquer coisa.
Já que neste país acredita-se que estando na Constituição haverá mudanças, então por que o senhor Ministro não sugeriu ensino diário de 9 horas, com professores obrigatoriamente trabalhando em regime de dedicação integral, acabando com o pagamento por hora/aula?
Se quisermos melhorar o ensino por que o Governo Federal não implanta, a exemplo do que será feito em São Paulo, uma avaliação anual dos professores com provas bem elaboradas, exigindo dos mestres que se atualizem anualmente.
Por que não se deixa que a iniciativa privada invista na educação pública, oferecendo benefícios fiscais para isto? Por que ainda se acredita que dar livro didático, lanchinho, transporte escolar é dar educação? Onde fica o conhecimento?
Outro dia conversando com uma professora ela confessou sua grande dúvida sobre a melhoria do ensino. Como vamos melhorar a educação se os responsáveis por ela não estão qualificados? Confesso que fiquei sem resposta.
Existe algo muito importante e urgente no país que precisa ser revisto, para que no futuro, não se tenha que arcar com graves conseqüências. O Brasil não se divide em pobres e ricos, negros, brancos, pardos e índios. Não. Não podemos incitar este tipo de racismo às avessas, esta linha divisória que irá gerar graves conflitos sociais no futuro.
O Brasil é e deve continuar sendo um país de diversificação racial, que vivem em paz entre elas. A questão de educação não pode passar por questões raciais ou partidárias. Educação se faz com união, integração, investimento público e privado e sobretudo com a força de vontade de ensinar. É só isso, nada mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o