Pular para o conteúdo principal

São Paulo subaquática e as mudanças climáticas

A cidade amanheceu debaixo d’água. Quem queria atravessar a marginal Tietê deveria ter um bote ou barco, pois seria a melhor forma de chegar ao trabalho ou outros compromissos.
Não adianta construir piscinões, cobrir córregos, a natureza é livre e precisa desta liberdade para seguir seu rumo. A cidade de Sâo Paulo está impermeabilizada demais e as enchentes virão, faça o que fizerem, elas virão.
A impermeabilização da cidade, em parte, não pode ser atribuída ao governo e as autoridades, já que boa parte dela é promovida pelo cidadão comum, que cimenta seus quintais e jardins, expulsando a área verde de suas casas e impedindo que a água penetre no solo quando chove.
Muito do que acontece aqui poderia ser evitado se a população permitisse que o verde fizesse parte de suas casas, se lixo não fosse jogado nas ruas e córregos e se a consciência da reciclagem fizesse parte da educação das crianças.
Apesar de o Brasil ser um país ainda pobre (emergente) a população age como em países de “primeiro mundo” Japão e EUA, trocando móveis e eletrodomésticos como quem troca de roupas. Falta a consciência da reciclagem. Bons móveis podem ter a duração de uma vida se bem conservados ou restaurados com um pouco de tinta, lixa e paciência.
Eletrodomésticos podem durar anos se a pessoa tiver cuidado. Sacolinhas plásticas devem, ou melhor, já deveriam ter sido extintas de supermercados, pelas retornáveis. São atitudes mais cidadãs.
Mas porque falar de tudo isso em um momento de caos com as enchentes e de discussão em Copenhague sobre mudanças climáticas?
Em primeiro lugar por que não adianta nada discutir lá, se os cidadãos daqui não tiverem a consciência de que somos responsáveis pelo planeta.
Em segundo lugar por que não haverá governo que consiga parar as enchentes se os “cidadãos” continuarem a jogar lixo nas ruas e a desconsiderar suas responsabilidades perante a natureza e o planeta onde vivem.
Na hipótese de que o Planeta esteja terminando sua era Glacial e entrando em uma nova fase, cada um de nós tem a responsabilidade de fazer um planeta melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o