Pular para o conteúdo principal

Para Sempre. Uma saga imortal

(spoilers)

Aqui estou eu, comentando mais uma vez um best seller americano que provoca arrepios nos mais puristas da literatura. Mas o fato é que sinopses a parte, e a deste livro não é muito boa, ou melhor, é péssima, Para Sempre (Editora Intrínseca, R$29,00), de Alyson Noël é bem mais que um simples best-seller escrito para os adolescentes.
É claro que não é um clássico, mas a história é empolgante e bem escrita.
Ever Bloom é uma garota feliz que tinha uma vida muito boa, com pais maravilhosos, uma irmã para brigar. Mas, um “acidente” mata toda a sua família deixando apenas ela viva.
Sem mais ninguém ela se vê obrigada a mudar de vida e morar com a única tia na Califórnia. A adaptação é difícil e na escola ela faz apenas dois amigos, Raven – uma menina chata e sem graça – e seu amigo Miles – esse sim um personagem que vale a pena.
Mas, ela mantém um grande segredo. Ao retornar de sua quase morte ela adquire poderes extra-sensoriais, e começa a ver a aura das pessoas, ouvir seus pensamentos e muitas vezes enxergar eventos futuros. É claro que isso é um fardo muito pesado para ela, que muda o comportamento e passa da “líder de torcida” para a garota mal vestida e invisível da escola.
Lá, ela conhece Damem Auguste, um garoto lindo, charmoso e que tem a capacidade de bloquear os poderes de Ever. É claro que um romance sairá destes contrastes.
O que ela não sabe, e nem os leitores, é que Damem é um imortal que vive sua eternidade em busca de seu grande amor mortal, a própria Ever, nunca concretizando esta união, pois ela sempre é assassinada por outra personagem imortal Drina.
Ao ler a história, lembrei-me do livro A Volta do Matusalém, de George Bernard Shaw, escritor irlandês que nasceu em 1856, que trata ao longo de suas páginas sobre a longevidade do ser humano. Também é possível se recordar de Highlander, dirigido por Russell Mulcahy em 1986, cujo protagonista é um imortal que luta para sobreviver já que “só poderá existir um”, fato que é citado no livro de Noël.
Em Para Sempre, alguns valores universais como a bondade, o perdão são tratados de forma criativa, ao lado da apresentação de fenômenos mediúnicos e das possibilidades de contato com o polissistema espiritual, muito bem apresentado pela personagem Riley, a irmã adolescente de Ever, morta no acidente, mas que se recusou a ir embora e agora vaga entre os planos espiritual e material.
Eu recomendo, mas leia sem preconceitos, pois a trama pode proporcionar uma tarde agradável e relaxante, sem as costumeiras irritações com péssimos textos que alguns destes best-sellers costumam nos “presentear”.



Série os imortais:



Para Sempre
Lua Azul
Shadowland (sem previsão de lançamento no Brasil)
Dark Flame (sem previsão de lançamento no Brasil)



Links:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores