Pular para o conteúdo principal

Nosso Lar, o filme mais caro da história do cinema Brasileiro

Confesso que nunca li o livro Nosso Lar, na verdade, conhecendo a história pela narrativa de outras pessoas nunca me senti inclinada a uma leitura que, a meu ver, como espírita, não traria nada de interessante exceto um excesso de metáforas. No entanto estou ciente das grandes massas de espíritas que se iniciaram na doutrina após a leitura do livro, o que resulta em pontos extremamente positivos para esta obra.
O tão alardeado filme Nosso Lar do diretor Wagner de Assis, não cumpre o que prometeu em suas inenarráveis entrevistas, trailers e propaganda. O filme possui uma narrativa lenta, arrastada que deixa muitas pontas soltas, entre elas a história do espírito da mulher revoltada que tenta retornar a terra e não consegue.
Falta ação, falta ritmo, falta à fórmula que nos prende como espectador. E, por favor, não digam que um filme com temática espírita não pode ser feito desta forma, pois é claro que pode, e muito.
Nosso Lar é uma narrativa em primeira pessoa, cujo personagem André Luis conta suas aventuras no mundo espiritual após uma morte prematura e não bem aceita por ele. Médico, orgulhoso, sem tempo para a família, para a bondade, André se vê vivo em um Umbral, lugar horrível, onde apesar de morto para o corpo, continua a sentir dor, fome, frio e ser atacado por outros espíritos. Em um momento de desespero suplica pela clemência divina e é ajudado pelos espíritos da cidade Nosso Lar, que o leva para um tratamento em um hospital moderno, onde André é introduzido nas lições de perdão, humildade, amor e dedicação ao próximo.
O cenário futurista é muito bonito. No entanto, quando André é levado a conhecer Nosso Lar através de um ônibus voador, a visão panorâmica da cidade mais parece um desenho que um cenário, propriamente dito. Poderia ter sido melhor.
O filme custou 20 milhões de reais, um orçamento altíssimo para uma produção nacional e merece ser visto, não só pela produção bem acabada, mas pela mensagem e pela proposta de mudança de vida, tão necessárias em um Brasil, que nos últimos oito anos aumentou vertiginosamente a violência, o egoísmo, o medo e a intolerância.
Além disso, há cenas emocionantes como a chegada dos milhares de espíritos que desencarnaram durante a segunda guerra mundial que nos levam a reflexões a respeito da injustiça e da intolerância praticadas nas guerras e conflitos armados.
O diretor apostou acertadamente no desconhecido ator Renato Prieto para fazer o personagem André Luis. Além dele, o elenco conta com Fernandes Alves pinto, Rosane Mulholland, Inez Viana, Rodrigo dos Santos, Werner Schunemann, Clemente Viscaino, Helena Varvaki, Aracy Cardoso, Selma Egrei, Othon Bastos, Ana Rosa, Paulo Goulart, Lu Grimaldi.
Além disso, Nosso Lar contou com a primorosa direção de fotografia de Ueli Steiger, música de Philip Glass e a impecável Intelligente Creatures, empresa canadense, como responsável pelos efeitos especiais.
O filme com todos esses nomes de peso tem uma responsabilidade muito grande que será o retorno de público e financeiro. Mas, eu creio em uma responsabilidade maior, a missão de passar uma mensagem positiva, onde valores há muito esquecidos, possam novamente ser questionados pelos adultos como amor, ajuda ao próximo, perdão, assuntos que já estão sendo fartamente debatidos entre os adolescentes que lotam as salas de cinema para assistir filmes como Crepúsculo e Harry Potter. Realmente, já estava na hora de fazer algo para os adultos. Nosso Lar cumpre a missão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores