Pular para o conteúdo principal

Uma forma diferente de falar de 11 de setembro

Eu passei a semana toda pensando no que escreveria para o dia 11 de setembro. Tenho o hábito de dizer algumas palavras em datas especiais. Depois de pensar muito decidi que a melhor forma de falar desta data, tão terrível e marcante na história da humanidade pelo tamanho e alcance da atrocidade que aconteceu, seria falar de amor.
Eu me lembro da emoção que senti quando assisti ao filme Cinema Paradiso (1988), de Giuseppe Tornatori, em especial na cena final, que mostra o protagonista da história apresentando o filme que fez com todas as cenas censuradas dos filmes que assistiu em sua infância no cinema chamado Paradiso. Então segue-se uma sequência dos beijos mais românticos do cinema preto e branco.
Tomando emprestada a idéia, apresento as cenas de amor que considero as mais bonitas do cinema. Não só pela emoção que provocaram, mas pela construção da cena feita por habilidosos profissionais. A lista, é claro, não está completa, há muitas outras que gostaria de colocar aqui, outras que não consegui encontrar em minhas pesquisas pela internet, outras que esqueci.....
A mensagem que desejo passar é : construam um mundo de amor e magia em torno de si mesmo e passem essa emoção a todos os que te cercam. Este ato é como uma corrente, começa em você e termina do outro lado do mundo.
Romeu e Julieta
direção: Baz Luhrmann - 1996 (EUA)

Orgulho e Preconceito
Joe Wright (2005/ França/EUA/Inglaterra)

Morro dos ventos uivantes
direção: Peter Kosminsky 1992 (EUA) 

Um lugar chamado Notting Hill
direção: Roger Mitchell 1999 (EUA)

Outono em Nova York
direção: Joan Chen 2000 (EUA)

Simplesmente Amor
Richard Curtis (2003/Inglaterra)
O importante é amar

Crepúsculo
direção: Catherine Hardwicke 2008 (EUA)
Todas as vezes que vejo esta cena lembro de Romeu e Julieta no Balcão.


Primeiro beijo entre uma humana e um vampiro (a humana sai viva)- só para lembrar que as diferenças entre os seres humanos não importam.

Harry Potter e o Cálice de Fogo
Direção: Mike Newell 2005 (EUA)
Quando a amizade é a maior prova de amor que se pode dar


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores