Pular para o conteúdo principal

Um amor para Recordar

Eu adoro estar em dia com o cinema e ver todas, ou quase, novidades que aparecem. Mas isso não me impede de buscar o antigo, filmes que há muitos anos ninguém se lembra. Os clássicos, como Casablanca (nem tão esquecido), sucessos da década de 50 e outros filmes que podem ser Cults ou não.
Nos últimos meses tenho assistido a bons e antigos filmes, muitas vezes graças a amigos que nos apresentam preciosidades. Nesta linha, tomo a liberdade de comentar uma produção norte americana de 2002.
Em português, o filme chama-se Um Amor para Recordar, mas eu prefiro o charme e a sutiliza do nome em inglês - A Walk to Remember. O filme tem a direção de Adam Shankman, com Mandy Moore e Shane West nos papéis principais.
A trama é básica, rapaz tipo bad boy apaixona-se por garota boazinha que transforma a vida do rapaz. Nada de espetacular? Sim. Mas a condução da história e o final intangível fazem deste filme especial.
Landon, um rapaz popular que não se dá com o pai, separado de sua mãe, é alguém perdido na vida, inconseqüente, mas não totalmente mau. Depois de beber dentro da escola é punido com atividades extracurriculares como aulas de reforços para crianças problemáticas e participar da produção teatral da primavera.
Obrigado a se afastar dos “amigos” devido às atividades na escola, Landon começa a conviver mais com Jamie, uma garota tímida, filha de um pastor e extremamente inteligente. A relação entre os dois modifica lentamente Landon, que se apaixona por ela, sem ao menos saber o que o futuro reserva para os dois.
A força expressiva dos atores, e as mãos implacáveis do destino tornam o amor delicado e ingênuo entre os personagens em algo eletrizante. É um filme para chorar, se emocionar, para questionar a vida, o destino, para assistir a dois. Não espere algo intelectual com grandes sacadas de imagens, frases mirabolantes. O objetivo do filme é completamente outro: - é o ser humano em sua fragilidade e sua força.
Assista com os olhos da alma. É para este tipo de olhar que o filme foi feito. Eu adorei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores