Pular para o conteúdo principal

A Sociedade e as Drogas

Desde 11 de novembro a Wellcome Colletion, em Londres, apresenta a exposição High Society. Não se trata do famoso filme dirigido por Charles Walters de 1956, mas sim de um retrato do uso das drogas e suas relações com a sociedade ao longo dos séculos.
Os apaixonados por literatura e arte sabem que excelentes criadores fizeram uso de drogas alucinógenas para “viajar” em suas obras. Haxixe, Ópio, Heroína, já foram substâncias químicas permitidas socialmente, como diversão ou medicamento.
A exposição parte da premissa que todo ser humano, em algum ponto de sua existência, recorre às drogas sejam elas ilícitas ou não. Na lista de drogas estão a cafeína (Café, chá, chocolate), o álcool ou qualquer outra substância que estimule a dopamina.
Em uma época na qual o combate as drogas é pedra fundamental de governos como o americano e o brasileiro, uma reflexão sobre o papel que ela exerceu, e as mudanças de atitude em torno dela é bem vinda e talvez uma fonte inspiradora de análise para a formação de políticas públicas de combate a esta doença social.
A droga não é apenas um instrumento de prazer momentâneo, mas uma eficaz arma de controle da pessoa. Em Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, uma sociedade composta por castas já pré-determinadas geneticamente é mantida sob controle com o uso de uma droga chamada Soma.
Há pessoas que acreditam muito nesta versão, chegando a crer que a cocaína foi introduzida nos últimos quarentas anos como instrumento de controle do jovem. Verdade ou não, a exposição em Londres é uma ótima opção para quem vai passar as férias por lá.
High Society está dividida em cinco áreas que envolvem desde achados arqueológicos até a guerra entre Inglaterra e China devido ao tráfico de ópio protagonizado pelos ingleses.
High Society fica em cartaz até 27 de fevereiro na Wellcome Collection, 183 Euston Road, London NW1 2BE, com entrada gratuita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o