Pular para o conteúdo principal

Quem ama a leitura não faz pirataria de livros

Vou iniciar aqui uma campanha, que valoriza não só os escritores, as editoras, mas a atitude correta e cidadã de cada um de nós. E não podemos esperar menos que isso de quem ama a literatura.
Saibam que a Pirataria é um crime que chegou com força na literatura. Todos os dias, sites disponibilizam gratuitamente downloads de livros recém lançados, como se eles fossem o “Robin Hood” dos tempos modernos. Rá! Grande piada!
Eu digo piada porque sob a falsa impressão de “divulgação do direito de ler” se esconde um crime, que poderá chegar a destruir a própria literatura.
Só o custo de preparação de texto, revisão, diagramação e impressão de um livro simples, de 392 páginas, tamanho 16x23 cm (Crepúsculo tem este tamanho) não saía por menos de quinze mil reais em 2010. Isso significa dizer que para repor os gastos o livro deveria ser vendido a quinze reais. Só que não podemos esquecer que há os direitos autorais dos escritores, que variam de 10% a 20% no Brasil; o custo da distribuição, a comissão das livrarias e os impostos, estes sim os vilões.
Na verdade, trinta reais é um valor muito baixo que se paga por um livro. Ele poderia ser mais barato? Sim, é claro. Se a população lesse muito mais, o que obrigaria as editoras a aumentarem suas tiragens o que reduziria o preço unitário e se os impostos governamentais (e isso inclui o imposto sobre o papel) baixassem.
Agora, o que faz uma pessoa que baixa um livro pirata da internet?
- Contribui com um crime.
- Reduz o emprego nas gráficas, pois as editoras terão cada vez menos dinheiro para imprimir os livros.
- Não paga o autor que está lhe proporcionando o prazer da leitura. Na verdade, o leitor esquece que a profissão do escritor é escrever livros e que ele precisa receber pelo seu trabalho.
- Ajuda a diminuir o número de livrarias
- Leva Editoras menores a fecharem as portas.
- Sem falar no emprego de revisores, preparadores de texto, tradutores que irão literalmente “para o espaço”.
É por isso que o verdadeiro amante da literatura, alguém absolutamente consciente do objeto de seu desejo, não faz uso de pirataria.
Nossos livros devem se comprados, emprestados, compartilhados e nunca “roubados”.
É muito fácil entrar nesta campanha. Se o seu amigo não puder comprar um livro, empreste o seu ou dê um novo de presente. Incentive as atitudes corretas e construa um Brasil melhor.
Quem ama a literatura não faz pirataria de livros.

Comentários

Luis Netto disse…
Oi, como vai? Muito boa a sua critica, mas convenhamos que os preços dos livros estão realmente abusivos. Você já conhece parte da nossa historia e sabe que compro muitos livros. Já foram mais de 900
Qual a alternativa que sobra? Sou contra baixar livros pela Internet, mas não sobra muitas alternativas. Uma delas, da qual estou me valendo, é comprar livros pela Internet, onde você consegue comprar livros que é ofertado nas livrarias por R$ 60,00 ou mais, por R$ 9,90 ou proximo disso.
Vou acabar criando uma empresa de locação de livros.
Parabéns, Soraia, seus textos são muito legais.

Luis
Olá Soraia, como vai? Faz tempo que você não publica nada. Aconteceu alguma coisa ou só excesso de trabalho?
Escreva assim que puder, pois seus textos e suas idéias são muito bonitos e diferenciados.

Luis Antonio

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o