Pular para o conteúdo principal

Enfim uma invasão alienígena

Eu sinceramente acredito que não estamos sós nesta vastidão infindável do Universo. As descobertas da física quântica nos remetem cada vez mais a possibilidades infinitas de vidas, de universos e por que não dizer, dimensões.
Brian Greene, autor do livro “O Universo elegante” nos leva a uma viagem muito louca por supercordas, dimensões ocultas e buscas e mais buscas. Então, diante de tantas evidências por que acreditar que o Universo não é povoado por infinitas espécies de vida inteligente? Seria o Terráqueo a única forma privilegiada?
Todo este questionamento filosófico para falar sobre o livro lançado pela Intrínseca “Eu sou o número quatro”, de Pittacus Lore (pseudônimo). Quando lançaram o livro, em Inglês, confesso que fiquei tentada em encomendar um exemplar, mas resisti bravamente, pois tinha a certeza absoluta que ele seria lançado logo no Brasil. Acertei as duas suposições, a rapidez no lançamento e a editora. (não tenho poderes paranormais)
Eu sou o número quatro conta a história de nove crianças, habitantes do planeta Lorien, ligadas por uma magia, que foram enviadas a Terra para que pudessem crescer em segurança e desenvolver seus poderes.
Acontece que o planeta onde eles viviam foi invadido pelos mogadorianos, uma raça que já destruiu todos os recursos naturais de seu planeta e enxergam em Lorien, como seres incontroláveis, um lugar para continuar sua sede de destruição.
As crianças têm o destino de desenvolver os poderes, retornarem a Lorien e destruir os magadorianos. Elas são protegidas por uma magia muito estranha. Cada uma recebeu um número, de um a nove, e só poderão ser mortas nesta sequência.
É claro que os mogadorianos descobriram três delas e as mataram. Agora, estão atrás do número quatro e é exatamente ai que a história começa.
O número 4 e seu guardião já moraram em inúmeras cidades na Terra, e em cada uma adotam um nome diferente. Quando chegam a Paradise, Ohio, aos olhos dos habitantes da cidade, eles são apenas um adolescente de 15 anos e seu pai. Só que desta vez eles irão viver uma aventura bem diferente.
O livro é o primeiro de uma série chamada Os Legados de Lorien, mas os leitores já podem reservar um espaço na estante para mais sequência frenética de histórias eletrizantes.
Apesar de a temática ser comum, ou seja, povos alienígenas que invadem outros planetas, Eu sou o número 4 consegue ser inusitado, criativo e empolgante.
Agora, qualquer semelhança com o que está acontecendo no mundo de hoje, não é mera coincidência. O livro vale pelo prazer e pela reflexão.

Veja o book trailer:

Comentários

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores