Pular para o conteúdo principal

A Descoberta das Bruxas

Escrevo ainda sob a forte emoção que a leitura de A Descoberta das Bruxas, de Deborah Harkness me proporcionou. Um verdadeiro presente capaz de transmutar palavras em emoções, a exemplo dos maiores e melhores alquimistas da humanidade.
É certo que estou abalada, pois o livro não termina. O fim tão esperado terá que ser guardado para uma próxima edição, que espero breve.
Primeiramente gostaria de contar como livro caiu em minhas mãos – pura magia. Antes do lançamento oficial, na livraria que costumo frequentar, creio eu, ele havia acabado de chegar e ainda estava espalhado em pilhas por sobre um balcão ao longo das grandes estantes aguardando para ser organizado. Passei pelos livros e eles me chamaram. Peguei um, sentei-me no café que fica no interior da livraria e precisei me obrigar a parar de ler. A Descoberta das Bruxas tinha um feitiço que nós, humanos e mortais não conseguimos quebrar.
Assim como a fascinante personagem Diana Bishop, devolvi o livro à prateleira deixando para depois o que deveria ter sido feito naquela hora: - comprá-lo. Por sorte ele não era o Ashmole 782 (manuscrito que delineia a trama) e não desapareceu quando foi requisitado novamente. Ufa!!!
Assim, depois de desejar e conseguir um encontro com o livro, não pude deixar de notar o poder avassalador que a autora possui ao manejar as palavras, as frases, a trama, de forma a tecer longos e intrincados fios que nos prendem a história de maneira inconcebível. Exagero? Leia o livro e me diga depois.
Diana Bishop, uma bruxa historiadora, está em Oxford desenvolvendo sua pesquisa sobre textos Alquímicos. Ela é alguém, que como parte de nós, renega e deixa na obscuridade nossos poderes, dons e capacidade, no caso de Diana a magia, para viver uma vida comum, onde o avassalador poder do sobrenatural e da magia são relegados a um plano muito inferior em contrapartida com a monotonia das obrigações cotidianas.
Lá, na magnífica biblioteca Bodleiana da Universidade de Oxford, ela se depara com um manuscrito alquímico estranho cujo conteúdo que havia sido enfeitiçado se abre para a historiadora. É claro que ela se recusa a aceitá-lo e devolve o Ashmole 782 para as esteiras da biblioteca e ele desaparece de sua vida. No entanto, a sua recusa em aceitar o manuscrito não livra Diana da cobiça das criaturas – outras bruxas, vampiros e demônios. O que há no conteúdo deste manuscrito para ser tão cobiçado? Não se espante, mas o livro só nos dá uma vaga ideia do assunto, ele termina na página 638, tão misterioso como começou, tão oculto como o outro personagem fascinante da trama Mathew, um vampiro lindo, cientista, que se aproximará de Diana e ficará totalmente apaixonado por ela.
Então, nós descobrimos um mundo paralelo, comandado por criaturas que possuem leis rígidas, e a mais forte delas é que eles não podem se misturar. Mathew e Diana quebram esta regra sem nenhum receio.
Não quero comentar muito sobre a trama, especificamente, porque desvendá-la antes seria um crime imperdoável, mas posso adiantar que a autora nos leva em um passeio pelo mundo da genética, do DNA, Charles Darwin, viagem no tempo, domínio da natureza, cobiça, segregação e uma história de amor cujo tempo, os obstáculos e as leis não poderão nunca separar.
A autora desta história só pode ser uma bruxa, cujos poderes excedem nossos conhecimentos, mas verdade seja dita, Deborah Harkness é uma escritora (alquimista, já que todos nós que escrevemos temos este poder), mas a sua formação em história da ciência e da medicina foi o ingrediente principal desta poção mágica chamada A Descoberta das Bruxas.
A catalogação do livro o classificou como “ficção norte-americana”. Muito genérica, já que se trata muito mais de um romance científico, a exemplo do excelente “A Volta do Matusalém – um Pentateuco metabiológico, de Bernard Shaw”, recheado de elementos da fantasia e do sobrenatural.
Não acho nem um pouco cedo para afirmar que, dentre os lançamentos de 2011, este é e será, sem dúvida, um dos melhores.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores