Pular para o conteúdo principal

A Outra volta do Parafuso

Se você nunca leu Henry James este não é um bom livro para começar. Excessos na narrativa confusa, extremamente descritiva (uma característica do autor) e um final que não termina. Não encontrei em A Outra Volta do Parafuso complexidade lingüística e psicológica de outras obras do autor.
No entanto, ela não pode ser deixada de lado. A Outra Volta do Parafuso é a tentativa de James em criar uma atmosfera de terror e medo, usando fantasmas como pano de fundo da história.
Trata-se de um grupo de pessoas que se reúnem para contar histórias de terror, e um dos membros apresenta um manuscrito que lhe foi confiado por uma governanta mais nova, que se insinua ter sido uma grande paixão do personagem.
A narrativa conta a experiência sobrenatural desta governanta quando é contratada para cuidar de duas crianças em Bly. Lá, encantada pela beleza da menina Flora e do garoto Miles, a narradora sente-se abençoada pela nova vida que se descortina. No entanto, aparições de pessoas mortas transformam o cenário. Convicta de que estes espíritos querem roubar a alma das crianças, a governanta empreende uma luta para salvá-las, que culmina na própria perdição do menino Miles.
O grande desafio da obra é chegar até o fim sem ter um ataque histérico, ou então pular todas as páginas para saber o que realmente acontece na casa. Conselho de quem leu até o fim: - não faça isso por que você não terá uma resposta, terá que reinventar uma que será apenas sua.
Saiba que as dúvidas e questionamentos ultrapassaram os anos desde o lançamento do livro em 1898. Algumas questões como:
– A história fala sobre contato com seres do além, espíritos desencarnados?
– A governanta é alguém cuja sanidade podemos questionar?
– Haveria ai uma conjunção de insanidade somada a aparições?
– A formação da jovem, filha de um pároco, em uma época cujos parâmetros sociais eram extremamente rígidos a levou a uma condição de insanidade perante um dilema: aparições de espíritos têm que ser malignas. Se as crianças não manifestam medo é por que estão possuídas. Então, as crianças são más?
Confesso que terminei a narrativa com a expressão de “e agora? O que aconteceu realmente?”
Recomendo o guia de leitura do site da Penguin e um passeio pelos diversos sites de debate sobre o tema. Há opiniões tão ou mais instigantes que o próprio livro.

Comentários

  1. Embora não seja o tipo de livro que escolheria, gostei da idéia do site da Penguin, inclusive anotei-o como favorito e vou sempre ler o que foi publicado. Gostei das suas publicações. Parabéns.

    Luis

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores